Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fórmula 1:Título de pilotos decide-se em Yas Marina

Fórmula 1:Título de pilotos decide-se em Yas Marina

Este escaldante Campeonato do Mundo de F1 vai terminar no próximo domingo no moderno circuito de Yas Marina, em Abu Dhabi, o que garante um palco espetacular para o termo duma das temporadas mais competitivas de que há memória. Estreado há apenas um ano, o circuito de Abu Dhabi não nos proporcionou uma corrida muito animada em 2010, mas como este ano temos assistido, por norma, a provas mais movimentadas do que aquelas a que tivemos direito na temporada passada, são legítimas as esperanças que o último Grande Prémio deste ano faça justiça a este campeonato.

Se no ano passado a Red Bull ganhou com uma boa margem, é preciso não esquecer que Lewis Hamilton dominou a qualificação e estava tranquilamente na frente da corrida quando um problema técnico o afastou da prova. Por isso não é líquido que o RB6 seja novamente o carro mais veloz em pista, pois a McLaren vai ter uma palavra a dizer e o mesmo deve acontecer com a Ferrari.

O traçado árabe tem duas zonas de baixa velocidade, no início e no final da volta, mas pelo meio tem duas longas retas separadas por uma chicane lenta. Só no final destas duas retas é que é possível ganhar lugares, pelo que se viu no ano passado, mas também foi percetível que não é particularmente complicado defender a posição desde que o piloto em causa não cometa erros.

Pela lógica, a Red Bull deve dominar a qualificação, como aconteceu na maior parte dos Grandes Prémios deste ano, mas é no final da corrida que se fazem as contas e, por isso, é grande a incerteza quando o Mundial de F1 se prepara para o back-to-back mais longo da sua história: ao fim e ao cabo, de São Paulo a Abu Dhabi distam 12.103 quilómetros e nunca dois Grandes Prémios separados por apenas uma semana se realizaram tão longe um do outro. Obrigado ‘tio’ Bernie…

O piloto espanhol Fernando Alonso terá que deter os dois carros da equipe Red Bull para sagrar-se tricampeão mundial de Fórmula 1. Para isso, ele terá que chegar à frente de Sebastian Vettel, vencedor no ano passado da primeira prova nos Emirados Árabes Unidos, e Mark Webber, que juntos poderão complicar a vida do piloto da Ferrari.

Com apenas 23 anos, o alemão Vettel poderá transformar-se no piloto mais jovem a conquistar o título mundial, após uma temporada emocionante e sem precedentes, com quatro candidatos ao título na última prova do ano. Quem levará o título da temporada mais equilibrada em 60 anos de F1 dependerá de uma variedade de fatores. Os três principais candidatos podem inclusive terminar a corrida de domingo empatados com 256 pontos, resultado que daria o título a Vettel pelo retrospecto da temporada.

“Vai ser um fim de semana stressante para todos nós, mas isto é Fórmula 1 e tudo pode acontecer”, disse Alonso, que espera terminar o ano da mesma forma que começou no Barein, com vitória. O espanhol é o líder do campeonato com 246 pontos, seguido por Webber, com 238, e Vettel, com 231.

Os pilotos da Red Bull fizeram uma dobradinha no Brasil no domingo, dando à equipe austríaca seu primeiro título mundial de Construtores. “Só preciso chegar em segundo”, acrescentou Alonso. “Não importa quem ganhe em Abu Dhabi se eu chegar em segundo. Com isso, o problema está acabado.”

A decisão do título também pode acabar em polêmica. Se Alonso for o campeão por menos de sete pontos de vantagem — diferença que ele obteve ao vencer na Alemanha num jogo de equipe com o brasileiro Felipe Massa, para muitos o título estará manchado. “Fernando é um piloto excepcional. Alguns ficarão decepcionados pelo que aconteceu em Hockenheim e vão questionar se ele merece. Espero que ganhe o título por mais de sete pontos”, opinou o campeão de 2009, Jenson Button.

Sem ameaça de chuva

Se este final de temporada tem visto a chuva complicar as contas de todos, seja na qualificação ou na corrida, desta vez é bastante seguro afirmar que todo o fim de semana do GP de Abu Dhabi se vai desenrolar com piso seco. Uma forma de limitar os imprevistos para quem tem carros ganhadores, mas também uma garantia de que não voltaremos a ter surpresas como a pole position de Nico Hulkenberg em Interlagos.

Em contrapartida, as temperaturas ambientes deverão superar os 30º célsius e o asfalto poderá chegar aos 50º célsius, o que sempre coloca problemas na gestão de pneus e também na fiabilidade do motor e caixas de velocidades. O que com tanto por decidir, pode ser um elemento fundamental para o resultado final do campeonato.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!