Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Formação de professores: novo currículo a partir de 2012

O currículo de formação de professores de nível básico será revisto, devendo ser mais longo e baseado em competências profissionais para o ensino. Esta informação foi revelada, Quarta-feira, em Lichinga, província do Niassa, norte de Moçambique, pelo Ministro da Educação, Zeferino Martins.

O novo currículo vai começar a ser testado no próximo ano em três instituições, obedecendo ao critério de representação regional. À luz do novo currículo, a formação de professores terá a duração de três anos, devendo ingressar candidatos que tenham concluído a 10ª classe.

“Será revisto currículo de formação de professores com primazia para a introdução de um novo paradigma de formação, baseado em competências profissionais para o ensino e com a duração de três anos”, disse.

A introdução do novo currículo de formação de professores visa conferir mais qualidade ao ensino primário, que nos últimos anos tem contado com professores com fraca formação psico-pedagógica.

Manuel Rego, Director de Planifica ção e Cooperação no MINED, disse a AIM que o novo currículo vai ser implementado ao mesmo tempo que o actual, que termina em 2015.

O actual currículo, do modelo 10ª classe mais um (10+1), vai ser descontinuado a partir do próximo ano até terminar a sua vigência em 2015.

Rego explicou que nos três anos de formação, dois serão dedicados as cadeiras curriculares e o último será de prática no terreno. Para Rego, o novo currículo vai permitir aumentar o número de professores formados e com melhor qualidade.

“Ao longo dos últimos anos introduzimos três modelos de formação de professores antes do 10 +1, os modelos 12+1, 7+3 e 10+2 que nos permitiram formar apenas quatro mil professores por ano, e nós tínhamos que recrutar quatro a cinco mil professores sem qualificação” disse.

“Com este modelo, actualmente formamos 12 mil professores e recrutamos 10 mil no início do ano”, continuou. Para Rego, o modelo “10+1” teve a sua importância e ajudou a aumentar a proporção aluno/professor em 70 por cento.

“Com este modelo muitos professores com formação adequada entraram no sistema e o sistema salarial era baixo o que nos permitiu contratar mais professores com formação adequada para o ensino primário”, defendeu.

“É claro que um ano de formação não é suficiente e porque o rácio aluno professor baixou de 74 em 2006 para 65 actualmente, estão criadas as condições para se introduzir um curso mais longo”, concluiu.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!