Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Forças de Assad invadem aldeia litoral e matam dezenas de civis

Forças governamentais e milícias leais ao presidente Bashar al Assad invadiram, Quinta-feira (2), a localidade litoral de Baida, matando pelo menos 50 pessoas, incluindo mulheres e crianças, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

O grupo, que funciona na Grã-Bretanha e difunde relatos de activistas de oposição, disse que o número de mortos pode superar os 100. Muitas das vítimas parecem ter sido executadas a tiros ou facadas, e outros corpos foram queimados, disse a entidade.

Por causa das restrições do governo ao trabalho da imprensa, não foi possível verificar esses relatos de forma independente. Horas antes, os rebeldes atacaram um autocarro cheio de milicianos pró-Assad, matando pelo menos 6 e ferindo 20 pessoas.

Em resposta, as forças do governo e os milicianos cercaram Baida e a vizinha Maqreb, perto da cidade de Banias, e as bombardearam com morteiros, antes de invadirem Baida. O litoral sírio é um reduto da seita alauíta, uma minoria à qual Assad pertence.

Baida foi o cenário de um dos primeiros confrontos sectários do actual conflito, há cerca de dois anos, quando milicianos alauítas atacaram manifestantes da maioria sunita, matando sete pessoas. A cidade de Bania e aldeias do seu entorno formam um bolsão da maioria sunita, cercado por localidades alauítas.

Os sunitas, que são maioria na Síria, são a principal força por trás da rebelião contra Assad. Confrontos sectários e acusações de massacre são cada vez mais comuns num conflito que já matou mais de 70 mil pessoas.

O Observatório disse que, depois da ofensiva da Quinta-feira, “o destino de dezenas de residentes é ainda desconhecido”, e que “várias casas foram destruídas por forças do regime e pistoleiros legalistas de aldeias alauítas vizinhas.

A informação ainda é escassa porque as linhas telefónicas e de Internet foram cortadas”. As forças governamentais e milícias aliadas parecem ter feito avanços substanciais nas últimas semanas, ocupando vários subúrbios nos arredores de Damasco e recapturando territórios na província de Homs, berço da insurgência armada.

Quinta-feira, as forças pró-Assad retomaram um bairro central da cidade de Homs, numa ofensiva que o Observatório diz ter sido apoiada por coordenadores iranianos e o grupo libanês Hezbollah.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!