Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Aumentam casos de burla em Pemba

Grupos de indivíduos que se identificam como traficantes de ouro e pedras semi-preciosas estão a protagonizar esquemas de burla a vários cidadãos nacionais e turistas estrangeiros na cidade de Pemba, capital da província nortenha de Cabo-Delgado, zona potencialmente rica em recursos minerais.

Pemba é frequentada por cidadãos de diferentes origens, facto que propicia o negócio ilícito daquele tipo de produto. Jovens com idades compreendidas entre 15 e 30 anos de idade que se autointitulam de vendedores e compradores de ouro, transformaram-se em burladores profissionais.

Antónia Fraz, funcionária de uma organização não governamental, sedeada em Maputo, foi uma das vítimas desta triste realidade, na última sextafeira.

Fraz chegou mesmo a desmaiar à porta da Segunda Esquadra da Polícia da República de Moçambique, na capital provincial de Cabo-Delgado, onde ia apresentar uma queixa depois de sofrer uma burla no valor de 50 mil meticais.

A fonte afirma ter sido contactada por dois indivíduos, identificados pelos simples nomes de Langa e Ali, acompanhados de um rapaz que aparentava cerca de 16 anos e munidos de um produto que alegavam tratar-se de ouro.

‘Os dois indivíduos pediram-me que lhes adiantasse 50 mil meticais para satisfazer o rapaz, suposto dono do produto, que, depois de revendê-lo a um determinado cidadão chinês, eu receberia de recompensa 150 mil meticais’, disse Antónia Fraz, momentos depois de ter sido assistida no Hospital Provincial de Pemba.

De acordo com a nossa entrevistada, o processo de negociação durou cerca de quatro horas. Assim que foi consumada, os vigaristas sumiram em debandada deixando-a com o produto, cujas análises concluíram tratar-se de um pechisbeque, sem qualquer valor comercial e, portanto, ter sido alvo de um autêntico logro.

Os telemóveis dos visados continuam desligados desde sexta-feira, não havendo, neste momento, qualquer possibilidade da sua localização, embora a polícia afirme que está a trabalhar nesse sentido.

Este é o tipo de estratagema de que os amigos do alheio têm-se servido ultimamente para surripiarem dinheiro sem qualquer esforço e que começa atingir contornos alarmantes.

Aliás, um quadro sénior de uma formação política confirmou ao Wamphula fax ter também tropeçado, há dias, numa “ratoeira” do género.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!