Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Exército do Iémen ataca reduto de islâmicos e dezenas de pessoas morrem

Aviões de guerra iemenitas e soldados bombardearam a fortaleza militante islâmica de Jaar, esta Segunda-feira, disseram as autoridades e testemunhas, como parte de uma ofensiva apoiada pelos EUA num país que Washington vê como uma linha de frente na guerra contra a Al Qaeda.

Pelo menos 38 soldados e militantes foram mortos quando os militares lançaram o seu ataque mais grave em Jaar até o momento e também atacaram posições perto de Shaqr, uma cidade costeira numa importante rota de navegação, afirmou um oficial militar iemenita à Reuters.

O Iémen está a lutar para retomar as cidades e território na província de Abyan, ao sul, que foram tomados por militantes ligados à Al Qaeda, ano passado, durante um levante popular contra o presidente Ali Abdullah Saleh.

Washington, que ajudou a gerir a substituição de Saleh por seu vice, está a apoiar a campanha e aumentou os ataques aéreos aos supostos membros da Al Qaeda que acredita estarem a planear ataques do Iémen.

Os EUA também enviaram dezenas de instrutores militares e aumentaram a ajuda para o Iémen, uma vez que desejam que o presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi reunifique as Forças Armadas e as direccione contra a Al Qaeda.

“Os militares acabaram de começar um ataque a partir de três frentes diferentes na tentativa de entrar em Jaar”, disse um oficial militar, acrescentando que homens tribais armados estavam a ajudar os soldados.

O Exército combateu contra militantes durante a noite de Domingo até à manhã de Segunda-feira, expulsando-os das pequenas aldeias e matando pelo menos 28 combatentes e seis soldados, disse o oficial.

Os moradores contaram à Reuters que o Exército usou aviões de guerra e artilharia para atacar o centro da cidade. O Exército também estava a preparar-se para tentar tomar a cidade de Shaqra, no litoral sul, disse o oficial, acrescentando que oito militantes e dois soldados foram mortos em confrontos perto da cidade.

Shaqra é uma porta de entrada para somalis no Iémen para lutar ao lado da Al Qaeda. A ofensiva militar cortou o fornecimento de alimentos e remédios e forçou milhares a abandonarem as suas casas, disse o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV), semana passada.

Dezenas de milhares ficaram presos dentro de cidades como Jaar e Shaqra, acrescentou o CICV. Preocupados com a crise humanitária e de segurança no Iémen, países do Golfo Árabe e do Ocidente prometeram mais de 4 bilhões de dólares em ajuda para a nação empobrecida, mês passado.

Separadamente, um homem saudita, Abdulaziz al-Nasser Mahiri, que foi sequestrado há seis meses por tribais no norte do Iêmen, foi libertado, Domingo, depois de uma mediação tribal, informou a agência de notícias estatal iemenita Saba no seu site.

Os sequestros de estrangeiros e iemenitas são comuns no empobrecido estado da Península Arábica, onde os reféns são frequentemente utilizados por membros de tribos descontentes para pressionar as autoridades.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!