Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: Este país precisa de cidadãos

Na leitura do informe sobre o Estado da Nação, o Presidente da República falou sobre um país que caminha célere rumo ao progresso. Armando Guebuza explicou que os recursos naturais não geram riqueza imediata. Na altura ficámos com a impressão de que o Presidente vive num mundo à parte ou fecha os olhos aos reiais problemas do país.

O argumento usado para rebater os dados estatísticos que dizem que empobrecemos e que somos o quarto pior país do mundo veio pronto: “Vocês não conhecem o país real”, atiram alguns papagaios atentos que andam pelo país graças aos nossos impostos.

Em discursos floreados falaram-nos de um país que progride, mas que os nossos olhos, centrados na capital do país e nas capitais provinciais, não enxergavam. Cruzamos os braços e resignamo-nos diante da nossa incapacidade de palmilhar o país profundo. No entanto, as deslocações dos nossos repórteres ao país real, aquele que desconhecíamos e, por isso, não tínhamos autorização para dele falar, revelaram que o país realmente cresceu, mas deixaram claro que a pobreza, essa, é uma mancha cada vez maior sobre os moçambicanos.

No entanto, nesse mesmo país real desconhecem- -se direitos. Ou seja, a culpa da ausência de medicamentos não se cinge, para os residentes desses locais onde a informação passa de olhos vendados, às más políticas do Governo do dia. A inexistência de um posto de saúde é um problema do próprio povo que, em período eleitoral, agradece como se de um bênção se tratasse a capulana ou camiseta com o rosto de um político qualquer que lhe impingem. A construção de uma escola não é, para estes residentes, uma obrigação do Governo.

Neste país ninguém lê manifestos ou cobra promessas. Aqui não se exige nada. Aliás, a única coisa que os residentes destas parcelas do país pedem é chuva para irrigar os campos. Vivem literalmente do que a terra dá. O resto pouco importa porque não serve para semear. O servidor público, aqui neste país, não é ninguém se não trouxer algo que sirva para distrair estes cidadãos que desconhecem direitos.

O Estado da Nação continuará bom enquanto estes cidadãos não perceberem que os seus direitos não têm de ser ditados pela natureza. Quando eles compreenderem que uma escola não significa uma caridade de um senhor todo- poderoso de 4×4 ou de helicóptero.

A greve dos médicos, dos madgermanes e dos desmobilizados de guerra provam que o índice de cidadania continua a crescer nos espaços onde a informação corre célere e desgarrada. Mas lá no país onde o Facebook não chegou é que é preciso implantar a cidadania.

Não adianta semear a revolta aqui se nos outros espaços o voto pode ser comprado com um capulana ou com a imponência de um homem que desce dos céus. Portanto, não é preciso que o Estado da Nação seja mau para que os moçambicanos acordem. É preciso que eles acordem para que o Estado da Nação represente um perigo para o futuro de quem lhe tornou um desastre…

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!