Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Estamos a um fio de ter cólera

Tal como o governo decretou alerta vermelho face as inundações que estão a ocorrer um pouco pelo país, também a província da Zambézia já decretou alerta máximo por causa das diarreias que vem assolando a província já há duas semanas ou mais.

Em todos encontros que o governo realiza a todos níveis, não cansa de apelar as pessoas para melhorarem as condições de higiene individual e colectiva, enquanto que por outro lado, as autoridades sanitárias e seus parceiros vão se desdobrando em distribuir cloro e Certeza, dois produtos que servem para desinfectar a água de qualquer anormalia.

No seu todo, a província da Zambézia regista casos de diarreia um pouco pelos distritos. Até agora, pelomenos já foram notificados mais de 8 mil casos de diarreias, mas sem nenhum óbito, muito menos que se diga que há um vibrião colérico.

Há que incentivar as medidas de higiene individual e colectiva, porque a província da Zambézia está situada no corredor. Quer dizer, não se pode ir ao norte do país, por via rodoviária sem passar por Zambézia, tal como não se pode ir a zona sul do país, sem que se passe pela província da Zambézia.

Isso deixa a província num risco de contaminação muito grande. Ainda mais, sabendo que Nampula e Cabo Delgado já foram atingidos por esta doença, então a Zambézia também está a um fio de ser assolada pela cólera.

Conforme explicou Judite Caetano, da direcção provincial de Saúde nesta parcela do país, neste momento a província está sob alerta máximo, porque há muitas fontes de entrada do vibrião colérico.

De acordo com Judite, por exemplo, sabendo que a província da Zambézia já foi afectada por esta doença, podem sair pessoas já contaminadas para entrarem na nossa província, através do rio Ligonha.

E não só Ligonha pode ser um foco de entrada, mas também, como não há medida de segurança ao nível da ponte sobre o Zambeze, este também pode ser um foco de entrada da cólera. Dai que na óptica daquela médica, estão sendo tomadas medidas necessárias para que se evite a cólera na província da Zambézia.

Até este momento, a província da Zambézia, ainda não registou nenhum caso de cólera que se diga. Isto conforme asseguram as autoridades sanitárias, resulta de um esforço conjunto entre estes e a população que também sabendo que a cólera não dá muito tempo quando ataca, então, há um esforço para que este mal não chegue as comunidades.

Nos anos transactos por exemplo, a cólera não tem poupado a cidade de Quelimane, isto tem explicação e não precisa de um analista. Olhando pelas condições de saneamento do meio em que a cidade capital se encontra actualmente, já pode-se concluir que a cólera tem espaço para chegar e fazer das suas.

Lixo acumulado, águas paradas um pouco pela cidade, os bairros, estes então, não vale a pena mencionar, porque com as pequenas chuvas que se fizeram sentir, alguns bairros de Quelimane, tornaram-se um verdadeiro local de imundície.

Há que trabalhar para que este mal não atinja a província, dai que o Governador da Zambézia, Francisco Itai Meque, centrou uma parte dos seus discursos aos distritos de Mopeia e Morrumbala, nesta área.

Meque apelou por diversas vezes as pessoas para manterem a higiene individual e colectiva. Mas também com o produto certeza nas mãos, ia explicando como usar aquele produto e quais as vantagens do mesmo.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!