Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Eslovênia 2 – Estados Unidos 2: dois jogos em um

Eslovênia 2 - Estados Unidos 2: dois jogos em um

O estádio Ellis Park, de Johanesburgo, não recebeu um jogo de futebol esta sexta-feira, recebeu dois. Os Estados Unidos começaram o jogo ao ataque, pressionando a Eslovénio ao longo de todo o primeiro tempo e, num contra-ataque, sofreram o segundo golo pouco antes do intervalo. Essa foi a primeira partida, a que parecia ter classificado os eslovenos para os oitavos de final com vantagem de 2 a 0.

Na segunda parte, porém, o técnico Bob Bradley não teve medo de arriscar para transformar o jogo completamente. Com três atacantes, a confiança elevada e um Landon Donovan inspirado, os norte-americanos foram buscar o empate em 2 a 2 no segundo tempo e complicaram a disputa do Grupo C.

A equipe europeia marcou primeiro aos 13 minutos, num remate de fora da área de Valter Birsa, que desviou no defesa norte-americano Oguchi Onyewu. Os Estados Unidos, então, trataram de reagir: dominaram todo o restante do primeiro tempo e criaram jogadas de perigo. Mas, aos 42, a tal efetividade eslovena entrou em cena. Num contra-ataque veloz, Zlatan Ljubijankic recebeu passe de Milivoje Novakovic e, sozinho, tocou na saída de Tim Howard. No segundo tempo, os EUA também marcaram uma vez no início – num golaço de Donovan – e outra já aos 37, quando Michael Bradley igualou o marcador.

A confiança adquirida com a vitoria sobre a Argélia na estreia mostrou-se presente para os eslovenos logo no princípio. Quando as equipes ainda estudavam-se, uma desatenção na marcação dos americanos deixou Valter Birsa sozinho na intermediária, a dois passos da meia lua. O médio do Auxerre bateu de perna esquerda, a bola resvalou na cabeça de Oguchi Onyewu e acabou com as chances de Tim Howard.

As tentativas americanas de reagir vinham sobretudo com Landon Donovan, de longe o melhor da equipe no Ellis Park. A armadilha foi que, com o espaço que abriu, a equipa de Bob Bradley permitiu que os europeus fizessem um jogo que gostam – de contra-ataques, explorando a velocidade. Aos poucos os Estados Unidos foram tomando contado jogo e criando chances para empatar.

Aos 36 minutos, Francisco Torres obrigou o goleiro Samir Handanovic a uma grande defesa na marcação de falta. Em seguida, as triangulações de Donovan, Jozy Altidore e Clint Dempsey criaram perigo na defesa eslovena em três oportunidades claras, todas evitadas nos últimos metros pela defesa dos europeus.

A partir dos 35 minutos, o que se viu foi uma pressão objetiva e constante dos americanos. Mas o futebol pode ser cruel. Os minutos finais, que poderiam ter sido os que mudariam completamente o cenário para o segundo tempo, com um empate, acabaram determinando a vantagem eslovena. Com 42 minutos, Milivoje Novakovic lançou Zlatan Ljubijankic num contra-ataque veloz. O atacante do Gent teve calma para tocar na saída de Howard e levar os eslovenos para o intervalo com a vantagem.

O técnico Bob Bradley não perdeu tempo e, no intervalo, já veio logo com duas: Maurice Edu no lugar de Francisco Torres e Benny Feilhaber para o lugar do atacante Robbie Findley. Com isso, Donovan e Dempsey transformaram-se em atacantes de fato, ocupando cada um uma ponta, com Altidore como centroavante. A alteração não demorou nada para dar frutos.

Logo aos três minutos, Steve Cherundolo lançou Donovan em velocidade pela direita. O camisa 10 se aproveitou da falha de Bostjan Cesar e invadiu a área. Invadiu, invadiu e, mesmo sem ângulo, decidiu que estava tão próximo do golo que valia a pena encher o pé. O guarda-redes Handanovic permaneceu parado em cima da linha, e a bomba do americano entrou alta, sobre sua cabeça. A cara da partida estava determinada.

Os Estados Unidos seguiram executando o plano para o segundo tempo à risca: controle de posse de bola, chegada rápida de seus três meio campistas até o trio de atacantes e um punhado de chances criadas. Após duas oportunidades claras, de Jozy Altidore e Clint Dempsey, a Eslovênia decidiu oficialmente fechar-se na defesa e esperar para aguentar a pressão. Mas não aguentou.

Aos 37 minutos, enfim o merecido empate chegou. E foi justamente numa aproximação do meio-campo com o ataque: Michael Bradley recebeu de Altidore e marcou o golo que fez justiça àquilo que foi o jogo e deixou ao rubro a disputa do apuramento no Grupo C.

Com este resultado, a Eslovênia soma quatro pontos, enquanto os Estados Unidos têm dois. Os eslovenos fecham sua participação na primeira fase no dia 23 de junho, em Nelson Mandela Bay/Port Elizabeth. No mesmo dia, os EUA encaram a Argélia.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!