Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Energia eléctrica divide EDM e consumidores

A expansão da rede pública de energia eléctrica à vila de Namapa, sede do distrito de Eráti, está a criar desentendimento entre a Electricidade de Moçambique (EDM) e as cerca de 90 mil pessoas ali residentes.

Na origem do “imbróglio” estão as alegadas altas taxas cobradas pela EDM, para efeitos de ligações domiciliarias. Segundo as fontes, que falaram à nossa Reportagem, os valores cobrados pelas tais ligações domiciliárias, variam entre os 850 meticais e chegam a atingir os sete mil meticais, quantia considerada muita alta para aquilo que é a renda de maior parte dos membros da comunidade.

A vila sede de Eráti passou, desde princípios do mês de Outubro, a beneficiar da energia eléctrica da rede pública, fornecida pela hidroeléctrica de Cahora Bassa, na província de Tete.De lá para cá, são poucos os que beneficiaram daquele serviços. A nossa Reportagem esteve há dias naquela região e constatou que, para além da via pública, a residência do administrador, chefe dos serviços de educação, juventude e tecnologia e cerca de meia dezena de casas comerciais e de privados, o resto da vila ainda continua a ser iluminado na base de geradores eléctricos e candeeiros a petróleo.

Esperamos durante muito tempo por esta energia. Hoje que já a temos são poucos os que têm o privilegio de utlizá-la – disse-nos António Mário, um dos moradores da periferia do bairro central. Com efeito, à semelhança do que acontecia no período em que a vila não dispunha daquela “conquista”, tomar algo gelado continua ser um grande problema.

Agostinho Chelua, administrador do distrito, reconhece que, de facto, há reclamações populares à volta da distribuição e expansão de energia eléctrica da rede pública. Segundo ele, tal deve-se ao facto de tratar-se de um serviço novo, que devido à enorme ansiedade, cada um pretende usufruir sem olhar para as questões de natureza técnica.

Explicou-nos que a falta de um serviço fixo da empresa EDM para atendimento público, pode estar na origem do atraso nas respostas aos pedidos para novas ligações. Um outro constrangimento, que inibe as populações de ter energia eléctrica, relaciona-se com a alegada alta de preços das taxas de ligação.

Confirmo que a EDM está a praticar preços que são considerados elevados para as populações de baixa renda – disse. Enquanto isso, o processo de abastecimento de água às cerca de 90 mil pessoas residentes na vila sede do distrito de Namapa, encontrase ,actualmente, paralisado devido aos condicionalismos de ordem financeira, que dificultam as obras de reabilitação do pequeno sistema movido à base de gerador eléctrico, e que só poderá melhorar mercê da chegada da energia de Cahora Bass

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!