Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Empresa moçambicana vai explorar turmalinas de Maraca

A empresa de capitais moçambicanos, WW Investimentos e Participações, vai explorar turmalinas da mina de Maraca, distrito de Mogovolas, província nortenha de Nampula, que até há pouco havia sido tomada de assalto por garimpeiros ilegais.

A mina de Maraca, Posto Administrativo de Iuluti, estava a ser explorada de forma desregrada e em condições de risco por garimpeiros, maioritariamente da Africa Ocidental e da região de Grandes Lagos, situação que chegou a provocar a morte de alguns ilegais. Contudo, esta situação parece ter dias contados.

Segundo o jornal “Notícias”, a WW Investimentos e Participações tem agora o título de prospecção, exploração e comercialização dos minérios da mina de Maraca. Os investimentos envolvidos nesse projecto não foram anunciados. No terreno, a empresa já iniciou a montagem de equipamentos, entre os quais contam perfuradoras, bulldozers e lavarias. Horário Armando, um dos sócios da empresa, acredita que a mina de Maraca poderá trazer resultados positivos para a sua empresa, considerando o potencial existente. Segundo a fonte, esta empresa vai empregar 21 trabalhadores efectivos.

Durante a sua recente visita aquela mina, a ministra dos Recursos Minerais, Esperança Bias, disse que a entrada em funcionamento desta empresa veio trazer tranquilidade naquela região, realizando uma exploração mais regrada e cumprindo com a legislação em vigor no país. A ministra disse não haver algum descontentamento no seio dos líderes comunitários que colhiam dividendos, afirmando que o Estado está apenas a assumir as suas responsabilidades, fazendo cumprir com a legislação. “Se não tivéssemos esta empresa a operar aqui, o que teríamos seriam buracos enormes, porque os operadores ilegais não têm tido o cuidado e preocupação de repor os solos depois de exercer a actividade. Isso conduz à degradação ambiental, cujos encargos, a posterior, ficam com o Estado”, explicou a governante.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!