Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Empresa de compostagem de lixo inicia pesquisa no Norte

A Terra Nova, Lda, uma das empresas do sector privado que se dedica à produção e comercialização do lixo orgânico na cidade da Beira, provincia central de Sofala, vai inciar com acções de pesquisa sobre os métodos de recolha e tratamento de resíduos sólidos nos principais centros urbanos das provincias de Cabo-Delgado, Niassa e Nampula, incluindo uma parte do centro.

Segundo Hermenegildo Dovél, responsável de produção, aquela empresa pretende, com a iniciativa, avaliar o nível de gestão do lixo orgânico e inorgânico para possível reaproveitamennto.

Baseada na Beira, onde se consolidou como uma das maiores instituições do ramo de compostagem do lixo urbano em Setembro do ano passado, a Terra Nova é propriedade de Flore Roura, natural da França e detentora de larga experiência na área agrícola..

Actualmente, a empresa alberga cerca de 20 trabalhadores de ambos os sexos, na sua maioria jovens do bairro de Munhava Matope. De acordo, ainda, com Dovél, a ideia surgiu da necessidade de se fazer o reaproveitamento daquele produto para fertilizaçao dos solos, além da melhoria do sistema de saneamento naquela cidade ferro portuária.

Neste momento, a empresa produz por més cerca de 20 a 30 toneladas de lixo composto e este ano as previsões apontam para cerca de 600 toneladas. Depois de processado, o lixo é vendido ao Concelho Municipal, agricultores e outras entidades, ao preço de 200 meticais o saco de 20 quilogramas.

Devolver a Natureza o que pertence à Natureza, constitui o nosso lema de trabalho, referiu a fonte. Beira é considerada uma das cidades de maior produção do lixo, cuja média diária situa-se em 300 toneladas, segundo o Concelho Municipal. Deste número, apenas 150 a 200 toneladas têm sido recolhidas, das quais cerca de 65 por cento constituído por lixo orgânico.

O nosso entrevistado disse estarem em curso contactos com organizações parceiras para a materialização deste projecto noutras cidades. Entretanto, condicionada à disponibilização de recursos para a expansão das actividades atinentes.

Dentre as instituições, destacam-se a Crédito Carbono, sedeada na África do Sul que financia projectos ligados ao combate ao gás metano, considerado perigoso ao meio ambiente, Fundo Frences para o Ambiente Mundial, Nature Challenge Fundation, WWF/Bid Net Word, entre outros.

Contudo, Dovél mostrou-se preopcupado com o sistema de aterro sanitário actualmente usado na cidade de Nampula por falta de uma lixeira municipal. Disse ter constatado, na sua recente visita, que o lixo é despejado em locais despersos, o que dificuta o seu reaproveitamento.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!