Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Em formação primeiros técnicos médios em petróleo e gás

Os primeiros técnicos médios em petróleo e gás natural formados dentro do país deverão ser graduados ao longo dos próximos três anos pelo Instituto Politécnico de Tecnologia e Empreendedorismo (IPET), instituição privada com existência legal desde 2008, no país.

A sua formação está a ser feita em colaboração com a empresa Petromoc de Moçambique no que respeita a aulas práticas sobre petróleo feitas em laboratórios desta empresa localizados nas cidades de Maputo e Beira, segundo Eusébio Saíde, director-geral do IPET, realçando que a sua instituição conta com a assessoria técnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, do Brasil.

Na área de petróleo e gás estão matriculados cerca de 1200 discentes orientados por sete professores todos eles moçambicanos, enquanto no curso sobre carvão mineral, também a decorrer no IPET, estão matriculados cerca de 1300 alunos, alguns dos quais enviados pelas empresas onde estão a trabalhar e outros saídos das escolas secundárias moçambicanas.

Amanhã, sexta-feira, o Instituto Politécnico de Tecnologia e Empreendedorismo organiza, entretanto, uma palestra sobre os contratos de exploração de petróleo e gás, visando transmitir aos académicos, investidores nacionais e estrangeiros e jornalistas que estarão presentes no encontro, em Maputo, experiências de vários países produtores destes recursos naturais sobre contratos com companhias multinacionais.

A finalidade é municiar Moçambique de uma gama de conhecimentos para escolher os melhores contratos de exploração de petróleo e gás a firmar com multinacionais interessadas em investir na área, segundo o brasileiro Filipe de Moura, assessor do IPET para o curso de formação em petróleo e gás.

Frisa-se, entretanto, que nos últimos tempos Moçambique está a conhecer bons momentos em termos de descobertas de recursos do subsolo, nomeadamente, petróleo e gás e ainda carvão, faltando apenas técnicos nacionais para estarem à frente dos processos produtivos e de identificação dos mesmos recursos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!