Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Em estudo introdução do transporte ferroviário de alta velocidade

Um ambicioso projecto de transporte ferroviário de alta velocidade acaba de ser concluído pelo Ministério dos Transportes e Comunicações para viabilizar as exportações e importações de Moçambique com o resto da África Austral, prioritariamente, com a África do Sul.

O mesmo tipo de transporte poderá priorizar a ligação entre o aeroporto internacional de Maputo com o litoral turístico de Inhambane, levando veraneantes estrangeiros até ao distrito turístico de Vilankulo, apurou esta terçafeira o Correio da manhã de fonte autorizada daquele departamento governamental.

“Tratando-se de um ambicioso projecto que requer elevadíssimos custos não podemos falar do horizonte temporal do seu arranque, mas que está em equação isso sim posso garantir”, confidenciou a fonte do Cm, realçando que a viabilidade da ligação nacional estará depennte duma “fortíssima aposta do Estado moçambicano no desenvolvimento sustentado de uma crucial região turística de vocação nacional e internacional, em toda a faixa litoral de Inhambane”.

O novo sistema ferroviário seria constituído por um troço ligando a estação central dos CFM em Maputo/ aeroporto de Mavalane/ Vilankulo (Inhambane) e Joanesburgo/Pretória mais de ligação à futura plataforma logística, segundo igualmente o projecto. O desenho do projecto é sustentado pelo facto de a morfologia do solo moçambicano ter características favoráveis ao desenvolvimento de redes ferroviárias modernas, com grandes raios de curvatura e sem necessidade de grandes obras de arte, salvo as que resultam do seu sistema hidrográfico, indica o documento contendo resultados do referido estudo.

FUTURAS FERROVIAS

O projecto deixa como recomendações no desenvolvimento de futuras linhas ferroviárias que elas tenham directrizes da futura rede de alta velocidade com parâmetros geométricos próprios de linhas susceptíveis de admitirem 250 quilómetros/hora e que sejam de via dupla e construídas em bitola standard de 1435 metros, universalmente consagrada para as novas redes e geradora de economias no material rolante e nos equipamentos fixos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!