Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Em avaliação projectos da World Vision em Moçambique

Projectos da Visão Mundial (World Vision) de intervenção integrada destinados a aumentar o acesso e uso dos serviços de água, saúde, saneamento e agronegócios por cerca de 3,5 milhões de camponeses estarão em avaliação, de um a quatro de Fevereiro de 2011, por uma missão da África Austral daquela organização não governamental do Reino Unido.

Consumindo cerca de 61 milhões de dólares norteamericanos num dos projectos em curso na província da Zambézia, a avaliação, que irá contemplar todos os outros programas em implementação em sete províncias moçambicanas, será dirigida por Bruce Wilkinson, vice-presidente para África Austral da World Vision (WV), que inicia uma visita de trabalho de quatro dias a Moçambique, onde irá trabalhar com governantes locais e organizações não governamentais nacionais e estrangeiras que colaboram com a Visão Mundial.

Nas províncias de Gaza, Inhambane, Sofala, Manica, Tete, Zambézia e Nampula, a Visão Mundial disponibiliza uma média anual de 30 milhões de dólares do seu orçamento para financiarem directa e indirectamente programas e projectos de agricultura, segurança alimentar, combate contra o HIV/SIDA, de advocacia à criança vulnerável, nutrição, saneamento do meio e desenvolvimento de infra-estruturas, segundo Eleutério Fenita, director executivo da Visão Mundial em Moçambique.

Cerca de dois mil quilómetros de estrada, incluindo estruturas paralelas e de apoio como pontes e aquedutos, foram reabilitados e/ou construídos com apoio financeiro daquela organização religiosa, em acções implementadas por empreiteiros e mãode- obra locais, “gerando, desta forma, emprego e estimulando a economia rural”, referiu Fenita, falando em entrevista ao Correio da manhã.

A Visão Mundial estabeleceu-se em Moçambique em 1983 financiando programas de reassentamento de 1,5 milhão de moçambicanos que se encontravam nos países vizinhos fugindo da guerra oficialmente terminada em 2002 desenvolvida pela antiga guerrilha da RENAMO contra o Governo da FRELIMO.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!