Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Eleitorado israelita castiga Netanyahu mas mantém-o no poder

Benjamin Netanyahu pôs-se, esta Quarta-feira (23), a forjar uma nova coligação, depois de ser castigado nas urnas pela sua aliança com os judeus ultraortodoxos e empurrado na direcção de um partido centrista recém-formado.

As eleições da Terça-feira cristalizaram as reivindicações de que o governo dê mais atenção a questões concretas do que aos interesses dos radicais religiosos.

A questões de política externa, como os planos nucleares do Irão e as aspirações palestinas, ficaram em segundo plano. Disputando em coligação com o ultranacionalista Yisrael Beitenu, o partido Likud, de Netanyahu, elegeu 31 dos 120 deputados do Knesset (Parlamento), segundo dados quase definitivos do apuramento, que deve terminar Quinta-feira.

Essa é a maior bancada do Parlamento, embora com 11 deputados a menos do que na legislação anterior. Enfraquecido, Netanyahu sinalizou a intenção de ampliar a sua coligação, incluindo partidos de centro-esquerda e dando-lhe um carácter mais moderado.

Isso pode ajudar a atenuar os atritos dos últimos anos entre Netanyahu e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que também iniciou um novo mandato esta semana e que pretende evitar uma acção militar de Israel contra o Irão e promover a retomada do processo de paz entre israelitas e palestinos.

“A probabilidade de um governo puramente de direita diminuiu, junto com as dores de cabeça que isso causaria a Obama”, disse David Makovsky, do Instituto de Washington para a Política do Oriente Próximo.

“Então há uma chance melhor de que Netanyahu encontre um ‘modus vivendi’ com os Estados Unidos.”

“Dividir o ônus”

A imprensa israelita deu grande destaque ao revés eleitoral de Netanyahu e à surpreendente ascensão do centrista Yesh Atid (Há um Futuro), que formou a segunda maior bancada, com 19 deputados, num Parlamento que deverá incluir uma dúzia de partidos.

O Yesh Atid e o centro-esquerdista Partido Trabalhista, que elegeu 15 deputados, exploraram o ressentimento da classe média laica contra os benefícios concedidos a judeus ultraortodoxos, como a isenção do serviço militar.

Num aparente aceno ao líder do Yesh Atid, o ex-apresentador de TV Yair Lapid, Netanyahu prometeu que o seu governo vai buscar “uma forma mais igualitária de dividir o ônus”, uma referência aos generosos privilégios concedidos aos ultraortodoxos, que compõem 10 por cento da população.

Listando outras prioridades que ele disse ter definido com o seu aliado Avigdor Lieberman, um ex-chanceler radical, Netanyahu prometeu habitação mais barata e mudanças no sistema eleitoral.

Os palestinos reagiram com cautela ao resultado eleitoral israelita por considerar que dificilmente resultará num governo mais disposto a fazer concessões pela paz, apesar da inclusão de centristas.

Em editorial, o jornal palestino Al Quds disse que esses partidos vão oferecer uma “decoração cosmética” ao governo de Netanyahu, permitindo que ele engane a opinião pública mundial sem paralisar a ampliação dos assentamentos judaicos nos territórios ocupados, principal obstáculo à retomada do processo de paz.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!