Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Eleições municipais no Brasil são laboratório para as presidenciais de 2018

Michel Temer, Henrique Meireles, Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alckmin, Lula da Silva, Marina Silva, Ciro Gomes e Jair Bolsonaro não são candidatos nas eleições municipais brasileiras de amanhã mas todos eles, com as presidenciais de 2018 no espírito, têm a perder ou a ganhar com os resultados. E é acima do tudo o tamanho da derrota, já garantida, do Partido dos Trabalhadores (PT), de Lula da Silva, apesar de tudo líder das sondagens para o sufrágio de daqui a dois anos, que mais influi nas esperanças de toda a gente.

Derrota garantida do PT, sim, porque mesmo que as urnas o punam menos do que o esperado, com a diminuição de 40960 para 21629 candidatos a vereadores (menos 47%) e de 1829 para 992 candidatos a prefeitos (menos 46%), o partido no poder federal há 13 anos já entra em campo a perder.

Por outro lado, é competitivo, com boa vontade, em quatro capitais estaduais, quando há quatro anos ganhou seis: tem apenas Rio Branco, capital do Acre, certa e segue na luta pela segunda volta no Recife, em Porto Alegre e em São Paulo. Não é por acaso que, acossado pela Lava-Jato, o ex-sindicalista não tem sido visto nas campanhas na TV – aliás, até o símbolo do PT, a estrela dourada sobre fundo vermelho, anda desaparecida dos cartazes.

É em São Paulo que o PT e a maioria dos players mais arriscam. Caso o internacionalmente elogiado, mas localmente incompreendido, prefeito petista Fernando Haddad ceda o lugar ao líder das sondagens João Doria, do Partido da Social-Democracia Brasileira (PSDB), os tucanos, como são conhecidos os militantes do partido de centro-direita, podem festejar.

Ou, pelo menos, Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, mentor da candidatura e candidato declarado a 2018. “Se Deus quiser, com nossa força, com nossa vitória, Alckmin será presidente em 2018”, disse Doria com todas as letras. Porque foi Alckmin quem o impôs aos outros barões do PSDB paulistano, o presidente de 1995 a 2003 Fernando Henrique Cardoso e o actual ministro dos Negócios Estrangeiros José Serra, que preferiam Andrea Matarazzo.

Preterido por Doria nas primárias, Matarazzo desertou para o jovem Partido da Social-Democracia (PSD), pelo qual é candidato a vice-prefeito de Marta Suplicy, que, por sua vez, trocara o PT pelo Partido do Movimento da Democracia Brasileira (PMDB).

Ora o PMDB é o partido do presidente Temer e o PSD o partido de Henrique Meirelles, titular das Finanças, ambos candidatos velados a 2018, pelo que, se a dupla de dissidentes Marta-Matarazzo vencer (por enquanto está em terceiro nas pesquisas), o duo PMDB-PSD ganha ascendência sobre os polos PSDB e PT, que vêm monopolizando as lutas presidenciais desde 1995. Mas a aposta dos dois homens mais poderosos do governo é na derrota por goleada de Haddad e do PT.

“Os novos donos do Planalto usarão o resultado para deslegitimar o discurso do golpe e dizer que apenas se anteciparam à vontade da população ao apear os petistas do poder”, nota José Roberto de Toledo, no jornal O Estado de S. Paulo. Sobra um presidenciável tucano, Aécio Neves, cuja luta local é em Belo Horizonte, onde um seu aliado, João Leite (antigo guarda-redes do Vitória de Guimarães, a propósito), está no topo.

Porém, se Doria vence São Paulo, Aécio perderá para Alckmin a dianteira na luta interna no PSDB. Ainda à direita, Jair Bolsonaro, o defensor da ditadura militar do Partido Social-Cristão, aposta numa boa prestação no Rio do filho, Flávio Bolsonaro – quinto nas pesquisas – como prévia da sua candidatura em 2018. Se à direita todos apostam no estrondo da derrota do PT, à esquerda o quadro não é diferente. Marina Silva, do Rede, quer aproveitar a submersão petista para emergir qual D. Sebastião.

Mas o Rede, que prega a “nova política”, enreda-se na velha política: tem-se coligado Brasil afora com deus e com o diabo. “A minha formação é no campo da esquerda mas tivemos de reunir forças plurais para tentar vencer as eleições”, explica-se Clécio Luís, candidato competitivo do Rede a prefeito de Macapá, com apoio dos Democratas, da direita tradicional ao trotskista Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Ainda à esquerda, Ciro Gomes, do Partido Democrático Trabalhista, tem pretensões de a unir em 2018 em caso de fracasso petista ou impedimento legal de Lula. Experiente – já foi prefeito de Fortaleza, governador do Ceará, ministro de Itamar Franco e de Lula, duas vezes candidato à presidência – e a salvo de suspeitas de corrupção, conta ainda com o trunfo de manter relação cordial com o PT.

Há também o PSOL, que aposta forte em São Paulo, com a veterana Luiza Erundina, quinta nas sondagens, e mais forte ainda no Rio de Janeiro, com o, por agora, terceiro classificado Marcelo Freixo. O partido tem causas populares à juventude e quer ser protagonista à esquerda.

Em paralelo, registo para o fenómeno do Partido Republicano Brasileiro (PRB), braço político da Igreja Universal, que luta por influência. Tem aspirações à vitória nas prefeituras do Rio, onde o bispo Marcelo Crivella segue isolado, e de São Paulo, onde o apresentador de programas de defesa do consumidor Celso Russomanno na Record, TV da IURD, aparece em segundo, depois de liderar quase toda a corrida.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!