Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Egito sentencia 529 membros da Irmandade à morte

Um tribunal egípcio sentenciou à morte, segunda-feira (23), 529 membros da proscrita Irmandade Muçulmana, sob acusações de homicídio e outros crimes, numa forte escalada da repressão ao movimento, o que deve contribuir para a instabilidade no país.

Familiares ficaram à frente do tribunal a gritarem depois do veredicto – a maior condenação em massa à pena capital na história moderna do Egito, segundo os advogados. Em protesto, os simpatizantes dos réus atearam fogo a uma escola próxima, segundo a TV estatal.

A turbulência no Egito aprofundou-se desde Julho, quando o Exército depôs o primeiro presidente democraticamente eleito da história do país, Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana. As forças de segurança já mataram centenas de manifestantes da Irmandade nas ruas, e prenderam milhares de outros.

A maioria dos réus condenados na segunda-feira havia sido presa durante confrontos na província de Minya, sul do país, em agosto. “A corte decidiu sentenciar à morte 529 réus, e 16 foram absolvidos”, disse o advogado de defesa Ahmed al Sharif à Reuters.

Os condenados podem recorrer. A TV estatal noticiou as sentenças sem fazer comentários, e um porta-voz governamental não respondeu de imediato aos telefonemas feitos pela Reuters. A Irmandade Muçulmana, agora na clandestinidade, respondeu em seu site com a defesa da “queda do regime militar”.

As sentenças foram proferidas dias antes de o comandante das Forças Armadas, marechal Abdel Fattah al Sisi, anunciar oficialmente que será candidato nas eleições presidenciais deste ano, nas quais ele é amplamente favorito.

No julgamento iniciado no sábado em Minya, as acusações envolviam violência, incitação ao homicídio, a invasão de uma delegacia de polícia, lesões corporais e vandalismo contra o património público e privado.

“Este é o processo mais rápido, e o número de sentenciados à morte é o maior na história do Judiciário”, disse o advogado Nabil Abdel Salam, que defende alguns líderes da Irmandade, inclusive Mursi.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!