Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Educação vai introduzir avaliações externas no ensino primário

O Ministério moçambicano da Educação vai introduzir, este ano, avaliações externas no ensino primário, uma medida que visa analisar o desempenho interno produzido pelas escolas.

Augusto Jone, vice-ministro da Educação, disse, Quarta-feira, durante a II Reunião Nacional do Ensino Secundário que as provas serão elaboradas pelos Serviços Distritais de Educação, Juventude e Tecnologia.

“Esta modalidade de exames vai alertar os professores sobre até que ponto eles estão atrasados no programa, bem como os alunos estão a assimilar a matéria dada”.

“Portanto, queremos avaliar as provas dos professores, através de outros que acompanham o processo de ensino e aprendizagem” – indicou Augusto Jone, considerando que os alunos deixarão de se habituar aos testes elaborados pelos seus professores, entrando em consonância com as provas feitas por terceiros, em conformidade com o programa de ensino.

Ele afiançou ainda que, em última análise, as avaliações externas são uma forma de preparação dos exames, evitando que os alunos tenham medo das provas finais.

“Os exames, quando vêm do Ministério da Educação, os alunos pensam não se tratar, por exemplo, da mesma Química ou Física que viram na escola. Portanto, ao se habituar a estes tipos de avaliações, não terão mais pânico nos exames” — disse Augusto Jone, acrescentando que o Ministério de Educação pretende colocar os estudantes do país em pé de igualdade.

“Queremos aferir o ponto em que os alunos do país estão e até que ponto e que as escolas secundárias e primárias do Dondo e de Barada estão. As avaliações têm um cunho de ajudar as escolas” – disse o vice-ministro citado pela edição da Quarta-feira do “Diário de Moçambique”.

O vice-ministro nega que esta avaliação possa estar ligada às reprovações em massa, afirmando, porém, que o referido modelo já foi implementado pelo seu sector e se chamava CAP – Comissão de Apoio Pedagógico.

As CAP realizavam testes de apoio e provas. “Portanto, nada tem a ver com as reprovações, estamos a resgatar uma experiência que achamos importante” – asseverou Jone.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!