Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dinheiro do futebol russo atrai jogadores e técnicos de todo o mundo

O futebol russo, durante muito tempo isolado do exterior, conta atualmente com numerosos jogadores e técnicos estrangeiros atraídos pelo dinheiro de clubes de propriedade de milionários.

“Ganho dez ou quinze vezes mais que no Palmeiras”, disse o brasileiro Vágner Love, do CSKA de Moscou, artilheiro das últimas edições do Campeonato Russo e da Taca UEFA (11 golos). A Rússia começou a abrir-se para o mundo do futebol em 1995, com a chegada de dois brasileiros para o Nijni Novgorod, que decepcionaram, apesar da grande expectativa despertada.

A partir deste momento, a tendência foi se desenvolvendo com uma rapidez incrível, acompanhando o incremento dos orçamentos de alguns clubes. À medida que o dinheiro entrava, os clubes tentavam no exterior o que não encontravam na deficiente formação de jogadores da Rússia. As somas movimentadas atualmente no país chegam a competir com as dos principais campeonatos europeus, como é o caso do Zenit de São Petersburgo, que desembolsou 30 milhões de euros por Danny, meio-campista português do Dínamo de Moscou.

Os jogadores estrangeiros vêm para Rússia para tentar dar um salto de qualidade na carreira, como foi o caso do atacante argentino do Bordeaux, Fernando Cavenaghi, e do defesa sérvio do Manchester United, Nemanja Vidic, que passaram antes pelo Spartak de Moscou. O defesa eslovaco do Liverpool Martin Skrtel, vestiu o uniforme do Zenit e o atacante croata Ivica Olic, do Hamburgo, jogou no CSKA da capital russa, assim como o artilheiro brasileiro Jô, do Manchester City, cedido recentemente ao Everton. Sua decisão de ir para Inglaterra levou em consideração uma difícil adaptação à vida russa, à língua e a longa distância dos grandes centros.

Além de jogadores, houve uma revoada de técnicos, também seduzidos pelo dinheiro. Segundo especulações, o holandês Dick Advocaat, que levou o Zenit ao título da Taca UEFA de 2008, teria um salário de quatro milhões de euros por ano. Outro caso muito comentado de técnicos de renome no futebol russo é o do holandês Guus Hiddink, atual técnico do Chelsea, mas também responsável pelo selecionado russo, que levou até as semifinais da Eurocopa-2008.

Mas os técnicos não têm uma situação estável como a dos jogadores. Como acontece em muitos países, sua permanência no clube depende dos bons resultados, pois do contrário são demitidos, como aconteceu com o português Artur Jorge no CSKA e com o italiano Nevio Scala no Spartak Moscou, afastados poucos meses depois de contratados. Mesmo assim, a influência dos estrangeiros não parece diminuir. O Spartak ofereceu três milhões e meio de euros por ano para o dinamarquês Michael Laudrup assumiu sua direção técnica. Soma parecida foi proposta pelo CSKA ao seu novo técnico, Zico.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!