Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dinamarca 1 – Japão 3, jabulani teleguiada coloca Japão na segunda fase

Dinamarca 1 - Japão 3

Para qualquer um que julgasse que a classificação do Japão aos oitavos de final da Copa do Mundo da FIFA em 2002 só foi de fato possível por causa do clamor da claque local, o jogo desta quinta-feira em Rustemburg mostrou que a seleção asiática, mesmo longe de casa, tem futebol para vencer e chegar longe.

Graças a dois belos golos de livre e a um terceiro que nasceu de uma linda jogada de Keisuke Honda – eleito Melhor do Jogo -, os japoneses derrotaram a Dinamarca por 3 a 1 e fecharam sua participação no Grupo E da Copa do Mundo como vice-líderes com seis pontos; três a menos do que a Holanda. Nos oitavos de final, o Japão defronta o Paraguai, vencedor do Grupo F, no dia 29, em Tshwane/Pretória.

Com as duas equipes a precisarem da vitória para assegurar classificação, a partida começou agitada: nos primeiros minutos, tanto o Japão – com um remate de Makoto Hasebe rente à trave – como a Dinamarca – num belo chute colocado de Jon Dahl Tomasson – tiveram oportunidades claras para marcar. Não havia domínio claro de nenhum dos dois lados.

A diferença começou a ser feita nas bolas paradas: aos 17 minutos, Keisuke Honda acertou um tiro como dificilmente se vê. De muito longe, cruzado, colocado, seco e ao mesmo tempo com força. O golaço abriu o placar e permitiu que os japoneses jogassem como gostam: explorando a sua velocidade nos contra-ataques. E ainda vinha mais com as bolas paradas: aos 30 minutos, mais uma falta, essa em frente à área, e quem se ocupou de mais uma cobrança perfeita foi Yasuhito Endo.

O camisa sete bateu com arco, no canto esquerdo, e colocou a seleção nipônica na história: foi apenas a quinta vez na história da Copa que uma equipe marcou dois golos de falta no mesmo jogo; a primeira desde a Yugoslávia contra o Zaire na Alemanha 1974.

O Japão jamais havia conquistado uma vitória em Copa do Mundo diante de uma seleção europeia jogando fora de casa, mas o segundo tempo serviu para provar que não havia nem sinal de trauma entre os asiáticos.

Apesar da disposição dos dinamarqueses de atacarem, os comandados de Takeshi Okada mantiveram-se  firmes: defenderam bem e ainda criaram uma ou outra chance de aumentar a vantagem. Foi apenas nos últimos 15 minutos de jogo que os nórdicos de fato conseguiram exercer pressão: primeiro, aos 34 minutos, quando Soren Larsen recebeu, dominou com o peito e, de longe, acertou um belíssimo remate no travessão de Eiji Kawashima.

Bastaram mais dois minutos e o golo dinamarquês aconteceu: Hasebe fez falta para penalti em Daniel Agger. Tomasson cobrou muito mal e Kawashima defendeu, mas o ressalto voltou aos pés do próprio camisa nove, que então diminuiu o placar.

Tanto o Japão não sentiu a pressão dinamarquesa que, ao invés de pressão maior dos europeus em busca do golo de empate, quem decidiu reagir e selar a classificação foram os japoneses, e de novo por Honda. O atacante do CSKA de Moscou fez um lindo drible no seu marcador para entrar na área e serviu Shinji Okazaki na frente da baliza, sem guarda-redes, para levar os asiáticos de volta à segunda fase de uma Copa. Desta vez, sem precisar sequer do apoio da sua claque.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!