Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

EDITORIAL: Diferentes para melhor

Num mundo globalizado como o de hoje as notícias correm céleres. O que se está a passar no Norte de África, rapidamente atravessa todo o continente – para mais dizem que para baixo todos os santos ajudam – fazendo com que os milhares de quilómetros que separam Tripoli ou o Cairo de Luanda, de Harare, do Cabo ou de Maputo pareçam uns meros centímetros.

Nisso, a cadeia televisiva Al-Jazeera, com sede no Qatar, tem tido um papel fulcral e incansável – que grande trabalho! –, colocando-nos ao corrente de tudo o que tem vindo a ocorrer nesses países, e tornando a revolução de cada país um acontecimento global.

Esta, perdoem-me o termo, ‘aldeialização’ não agrada aos regimes mais férreos em relação à liberdade de imprensa. Em Luanda e em Mbabane parece que os senhores do poder – o primeiro está desde 1979, o segundo herdou do pai – face à convocação de manifestações anti-governamentais para os dias 6 e 12 deste mês respectivamente, têm vindo a filtrar e bem o que se está a passar nos países do Norte de África e do Médio Oriente.

 

Detenhamo-nos no caso angolano. Aqui a imprensa oficial tem procurado associar as manifestações a mortes, caos e instabilidade. Hosni Mubarak nunca foi citado como um ditador e quando foi obrigado a deixar o poder os jornais preferiam chamar-lhe renúncia como se tivesse saído de moto próprio. Os números da sua fortuna – avaliada em 40 mil milhões de dólares – nunca foram citados.

Em relação aos acontecimentos na Líbia, bem mais graves sob o ponto de vista de violação dos direitos humanos, o “Jornal de Angola” procurou também associá-los a mortes, titulando: “Protestos na Líbia causam mortes.” A TPA (televisão pública) alinhou pelo mesmo diapasão.

As manifestações são sempre tratadas como “protestos violentos” e nunca como movimentos que pretendem instaurar a democracia e as liberdades cívicas. Num dos telejornais, o filho de Kadhafi aparece apelando ao povo para não se manifestar mas a ameaça de ele lutar até à última bala foi omitida.

E a nossa imprensa oficial como tem tratado os acontecimentos do Magrebe? Com um nível de controlo muito menos apertado do que os angolanos, a nossa imprensa ofi cial tem sido bem mais liberal a tratar o caso, chegando mesmo a titular “Queda de Mubarak provoca euforia no Egipto” e reproduzindo um texto de um dos jornais que eu considero mais democráticos do mundo: o português Expresso.

O diário oficial é talvez o mais contido, agitando o fantasma dos mortos, do caos e do perigo da guerra civil na Líbia. Porém, um aspecto ressalta à vista e é comum a toda a imprensa oficial: o cuidado de não divulgar números das fortunas acumuladas, preferindo omitir-se os biliões de Ben Ali, de Mubarak ou de Kadhafi .

Como se vê, graças a Deus, neste aspecto, encontramo-nos num estádio bem diferente dos nossos irmãos angolanos, mostrando que um dos principais pilares em que assenta a democracia – a liberdade de imprensa – está bem mais implantada em Moçambique do que na maioria dos países do continente.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!