Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Diálogo político em Moçambique volta a encalhar e a Renamo insiste na paridade na constituição das FDS

O diálogo político entre o Governo e a Renamo registou novamente, esta segunda (05), um impasse devido a divergências em relação aos termos de referência do papel dos observadores internacionais que irão fiscalizar o processo de cessação do conflito político-militar em Moçambique.

A Renamo voltou a insistir no facto de a sua desmobilização depender da paridade na constituição das Forças de Defesa e Segurança (FDS) e de diferentes subunidades da Polícia da República de Moçambique (PRM), do baixo ao mais alto escalão.

José Pacheco, chefe da delegação do Governo no diálogo político, disse que a proposta dos observadores nacionais obedece três etapas: a primeira diz respeito à cessação dos ataques contra cidadãos civis e destruição dos bens por parte da Renamo. A segunda etapa está relacionada com a desmilitarização da Renamo e sua reintegração nas FDS e PRM, mas não nos moldes que a Perdiz exige. E a terceira etapa refere-se à reinserção económica e social dos guerrilheiros da Renamo.

A explicação de José Pacheco é, basicamente, a formulação dos observadores nacionais. Entretanto, Saimone Macuiane, chefe da delegação da Renamo, disse que a explicação de que se devia confiar nos observadores internacionais para o fim de confrontos militares, desmobilização e reinserção dos guerrilheiros do seu partido não satisfaz à Renamo nem ao próprio Governo.

A Renamo exige que todos os seus militares que passaram à reserva e que estão a beneficiar de pensões sejam reintegrados nas FDS. José Pacheco garantiu que, pese embora os taques armados, as eleições presidenciais, legislativas e das assembleias provinciais, agendas para 15 de Outubro próximo, terão lugar. Os pleitos não poderão depender da tensão político-militar que o país atravessa.

Perante os fracassos que se registam de ronda a ronda, Pacheco disse que, doravante, o diálogo político entre as partes passará a ter lugar uma vez por semana e durante quatro horas, ou seja, das 09h:00 às 13h:00.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!