Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Diálogo político entre o Governo e a Renamo está encalhado

O diálogo político entre o governo e a Renamo voltou a registar mais um impasse, esta segunda-feira (26), na 59ª ronda, devido a divergências no que diz respeito aos termos de referência do papel dos observadores internacionais que deverão fiscalizar o desarmamento da Perdiz e a cessação das hostilidades no país.

Saimone Macuiane, chefe da delegação da Renamo, disse o impasse prevalece porque o Governo não aceita retirar as forças armadas em Gorongosa, local onde supostamente Afonso Dhlakama está escondido e a partir de onde comanda o seu partido.

A Perdiz considera a posição do Executivo uma clara manifestação da vontade de continuar a protagonizar ataques contra Dhlakama com vista a impedi-lo de abandonar o seu esconderijo e realizar a pré-campanha eleitoral para o escrutínio de 15 de Outubro próximo.? Macuiane queixa-se da morosidade no alcance de consenso em sede de negociações, por isso, sugere que diálogo político aconteça, também, às segundas-feiras.

Apesar de os observadores nacionais acreditarem que o Governo e a Renamo irão, em breve, alcançar um acordo sobre os termos de referência que irão definir a função dos mediadores internacionais, José Pacheco, chefe da delegação do Executivo, acusou o partidos de Dhlakama de estar a insistir na retirada das forças armadas alegadamente para continuar a perpetrar acções militares e matança de cidadãos. “ (…) a retirada das tropas na região de Gorongosa, exigida pela Renamo, é um falso pretexto para continuar a matar inocentes”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!