Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dhlakama,auto intitulado “pai da democracia”, reivindica a sua heroicidade

Dhlakama

O líder do maior partido de oposição Afonso Dhlakama, auto intitulado “Pai da Democracia”, reivindicou a sua heroicidade em Moçambique mas não quer, quando morrer, que os seus restos mortais sejam colocados na Praça dos Heróis na cidade de Maputo.

O líder da Renamo diz que reconhece a celebração do dia dos Heróis, 3 de Fevereiro, e diz que o seu partido não se faz presente às cerimónias porque o partido Frelimo partidariza a efeméride. “Eu fui da Frelimo mesmo não tendo participado na sua fundação, e ocupei o cargo de chefe de intendência, mas não concordar com os seus ideais, abandonei as suas fileiras em 1977, e engrossei a linhagem da Renamo para lutar pela democracia do país”, afirmou Dhlakama após o comício realizado no passado sábado(31) na cidade de Nampula.

“Reconheço a figura de Eduardo Mondlane, como herói nacional, porque lutou pela libertação do povo moçambicano do jugo colonial, o mesmo que eu fiz com a conquista da democracia no país”, acrescentou Afonso Dhlakama que, quando morrer, pretende ser enterrado na sua terra natal em Mangunde, distrito de Chibabava, na província de Sofala.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!