Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dhlakama exige segurança do Governo para desarmar a guarda pessoal

O líder da Renamo, Afonso Dhlakama, exige das autoridades governamentais moçambicanas maior protecção, para desarmar a sua guarda pessoal, por reconhecer que já não faz sentido a sua presença dezoito anos depois do Acordo Geral de Paz. Se a Frelimo me garantisse segurança, se não estivesse a odiarme, todos esses militares que vocês vêem à minha volta estariam nas suas casas. Aqui ficariam apenas agentes da Polícia da República de Moçambique. Disse Dhlakama, na passada quinta-feira, durante uma conferência de impresa que decorreu na sua residência.

O líder do maior partido da oposição encontra-se, desde os principios do ano passado, radicado na cidade de Nampula, que a formação da Perdiz apelida de sua capital politica. E a sua residência está sob forte vigia dos antigos guerrilheiros da Renamo, para além de alguns agentes da Policia da República de Moçambique.

A conferência de imprensa tinha por objectivo anunciar as razões da demora da realização da manifestação propalada pela Renamo, em contestação dos resultados eleitorais gerais de 2009. Dhlakama alegou que o atraso se deve a uma ameaça proferida pelo vice-ministro do Interior, José Mandra. Da forma como a polícia estava preparada, decidimos que precisavamos de nos concentrar para definirmos uma nova estratégia afim de levarmos a efeito as manifestações. Porque eles haveriam de matar pessoas e eu, como promotor das maniferstações, seria culpado. Agora a nossa intenção consiste em idealizar uma estratégia que evite que a policia venha, eventualmente, a matar alguém. Disse Dlhakama, assegurando estar já tudo a postos para a realização da referida manifestação, ainda este ano, embora ainda sem data marcada.

Para aquele politico, a manifestação, a ter lugar em todos os 128 distritos do país, será uma maneira de pressionar o partido no poder a concordar com a realização, ainda neste quinquénio, das “primeiras” eleições democráticas e multipartidárias. Outra pretenção da Renamo tem a ver com necessidade de banimento da chamada “sociedade civil” no processo político nacional por, na sua opinião, não defender os legítimos interesses dos moçambicanos, mas,apenas, de determinados partidos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!