Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Deteriora saúde dos imigrantes hospitalizados em Mocuba

A saúde dos três imigrantes ilegais que se encontram internados no Hospital Rural de Mocuba, província da Zambézia, Centro de Moçambique, tende a deteriorar-se, segundo fonte médica local. Trata-se de alguns dos 24 imigrantes que sobreviveram após terem sido transportados de Nampula Zambézia num camião contentorizado em condições deploráveis. Em consequência disso, pelo menos sete somalis morreram asfixiados.

Falando a Rádio Moçambique, a directora clínica do Hospital Rural de Mocuba, Florinda Viagem, disse que a saúde dos três imigrantes etíopes internados ‘tende a agravar-se’. Os 24 imigrantes ilegais fugiram do Centro de Refugiados localizado em Maratane, na província nortenha de Nampula e seguiam com destino ao vizinho Zimbabwe.

Por outro lado, o condutor do camião em causa seguia de Nampula com destino a Quelimane, transportando uma carga de 850 bidões, cada um contendo 20 litros de óleo de cozinha. Os dois grupos interceptaram-se em Alto Molócuè, a Norte da província da Zambézia, onde o motorista terá aceite uma proposta de transportar os 24 ilegais até Mocuba a troco de dez mil meticais (cerca de 300 dólares americanos).

Não tendo espaço para tantos passageiros, o motorista “empacotou” os 24 imigrantes ilegais junto com a mercadoria. Mas a meio do caminho veio a acontecer o pior: quatro dos passageiros haviam morrido por asfixia. Receando represálias, já que nem o proprietário do camião sabia desse negócio ilícito, o motorista em causa tentou, sem sucesso, pôr-se em fuga, abandonado a viatura e a sua mercadoria. Mas logo foi denunciado por populares e imediatamente detido pela Polícia moçambicana (PRM) em Mocuba.

Nos últimos meses, Moçambique tornou-se num destino ou ponto de trânsito preferido por imigrantes ilegais, na sua maioria somalis e etíopes que fogem das crises vividas nos seus países de origem. As províncias de Nampula e Cabo Delgado têm sido os principais pontos de entrada, sobretudo a partir das suas fronteiras marítimas.

Dados das autoridades moçambicanas indicam que, nos últimos dias, mais de seis mil cidadãos somalis e etíopes fugiram do Centro de Refugiados de Maratane, em Nampula, onde se encontravam alojados. As autoridades desconhecem o seu paradeiro, mas certamente que alguns são os que foram detidos nos diversos pontos do país, incluindo na cidade de Maputo, quando procuravam chegar a vizinha Africa do Sul por via terrestre.

Ainda na Zambézia, 36 imigrantes ilegais fugiram do Centro de Trânsito de Quelimane, local onde haviam sido acomodados após terem sido interceptados pela Polícia. Eles integravam um grupo de 65 imigrantes somalis e etíopes que foram detidos na Zambézia depois de terem fugido do Centro de Refugiados de Maratane.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!