Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Deputados devem ser “quase perfeitos” no que fazem

A Presidente da Assembleia da Republica (AR), Verónica Macamo, disse que a vulnerabilidade das economias como a moçambicana obriga aos representantes do povo a serem ‘quase que perfeitos no que fazem’.

Falando, quarta-feira, em Maputo, na abertura solene da III Sessão Ordinária da AR, Macamo indicou que esta medida deve, sobretudo, ser acrescida de esforços institucionais que visem incrementar os níveis nacionais de produção e produtividade.

“Continuamos a assistir, na economia mundial, um contexto conjuntural complexo e de muita incerteza. A vulnerabilidade das nossas economias obriga-nos a ser quase que perfeitos no que fazemos e, sobretudo, na concertação de esforços institucionais para impulsionar o incremento dos nossos níveis de produção”, declarou Verónica Macamo.

Numa sessão presenciada por diversas personalidades, incluindo o corpo diplomático acreditado no pais, Macamo disse ser por essa razão que no contexto actual da globalização e de escassez de capital em que o pais se encontra ‘devemos continuar a produzir leis com visão estratégica que concorra para a melhoria do ambiente de negócios”.

No seu discurso, a Presidente do Parlamento moçambicano sublinhou a necessidade do envolvimento participativo e efectivo de toda a sociedade, bem como o entendimento dos problemas que afligem o quotidiano do povo, como forma de levar avante a luta contra a pobreza, que se afigura complexa e multidisciplinar.

Ainda, de acordo com Macamo, “devemos todos continuar a ter uma visão critica e construtiva do trabalho que fazemos na busca de soluções dos problemas reais e actuais da nossa sociedade”.

Por outro lado, ela lamentou a persistência do conflito na Costa do Marfim, e manifestou a sua apreensão em relação as convulsões politicas e sociais nas regiões do Magreb e Médio Oriente, que já provocaram a perda de vidas humanas, e onda de milhares de refugiados.

“Esperamos que o bom senso, as tradições das civilizações milenares e a experiência do convívio fraterno, incluindo o dialogo, imperem na superação deste momento social e politicamente conturbado naqueles países”, disse a Presidente do mais alto órgão do poder legislativo em Moçambique.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!