Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: Delírios

“Nós o Governo e nós os moçambicanos temos confiança em vós (polícias)… Quando ouvirem gritos, alaridos, muitas vezes tentando desacreditar ou desmoralizar a Polícia, continuem a respeitar a confiança depositada em vós. Confiamos em vós”, palavras de Armando Emílio Guebuza na celebração dos 38 anos da Polícia da República de Moçambique.

Se é verdade que não se pode afirmar, de forma generalizada e irresponsável, que a Polícia serve os interesses do partido no poder e das suas lideranças não seria injusto, de todo, afirmar que o silêncio – de quem manda no país – sempre que a mesma Polícia abraça, de forma reiterada, o excesso de zelo é suspeito, é nefasto ao exercício das nossas liberdades constitucionais.

Quando a acção destes agentes é louvada e a crítica pública em relação ao seu desempenho é reduzida literalmente à dimensão de sabotagem à tranquilidade e ordem pública, não é preciso dizer mais nada. Temos uma Polícia, como ficou explícito na detenção de Jorge Arroz, que o cidadão deplora, mas que o Chefe de Estado ama profundamente.

Indubitavelmente, o nosso “idolatrado” Chefe de Estado perdeu uma nobre oportunidade de ficar calado. Já disse o escritor brasileiro, Augusto Cury, “o silêncio é a oração dos sábios”, mas Guebuza provou que de sábio não tem nada. O PR, como sempre, saiu-se muito, muito mal. É sempre assim quando depara com os críticos à sua (des)governação.

Ao proferir tal pronunciamento no dia da Polícia, o filho “mais querido da nação” mostrou, à saciedade, a insensibilidade por que ainda se rege, a mesma que tem vindo a apresentar aos moçambicanos há sensivelmente 10 anos.

Parece que o senhor Guebuza, à medida que se aproxima o fim do seu mandato, vai perdendo discernimento, tornando-se incapaz de perceber que ele é o grande problema desta nação. Diga-se de passagem, não há registo no país de tanto descontentamento, quer por parte dos médicos, desmobilizados de guerra, quer do povo em geral. O desgoverno de Guebuza é tão nítido, mas tão nítido que até quem não dispõe de um sistema HD vê.

Como é que a Polícia vai deixar, sem generalizações, de atropelar literalmente os direitos de cidadãos? Se o PR aplaude pornograficamente comportamentos desviantes dos agentes da lei e desordem isto não vai mudar. Eles estão no caminho certo. Nós, as vítimas, é que não compreendemos que o Chefe de Estado não respeita os nossos direitos.

O que diriam os agentes da G4S se ouvissem as palavras de Guebuza depois do que lhes aconteceu num passado recente nas mãos da FIR? O que diriam todos os cidadãos honestos que são vítimas todo o santo dia destes trabalhadores abnegados que o PR delirantemente tanto ama? Acreditamos que nenhuma pessoa sensata gostaria de estar na pele de Guebuza para ouvir.

Na verdade, o PR está a perder as estribeiras. Não é de bom grado um Chefe de Estado deixar-se levar pelas emoções. Aplaudindo o péssimo comportamento da nossa Polícia, ele mostrou a todos a imagem de um homem aflitivamente triste e desesperado com a situação desgrenhada a que nos leva.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!