Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Defecação a céu aberto pode reduzir nos distritos de Nampula e da Zambézia

Muecate, Nacarôa e Murrupula, distritos mais pobres da província de Nampula, onde, a par de outros pontos do país, a população ignora completamente a observância das regras básicas de higiene individual e colectiva, podem reduzir a defecação a céu aberto em virtude da construção de latrinas melhoradas no sentido de combater apropagação da diarreia e dacólera.

A iniciativa, inserida num programa de água e saneamento implementadopela Visão Mundial, tem um custo financeiro de 30 milhões de meticais. Um plano similar, orçado em 3.5 milhões de dólares norte-americanos, desembolsados pela Agência Islandesa para o Desenvolvimento Internacional (ICEIDA) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), está a ser executado em cinco distritos da província da Zambézia.

Todavia, o mal destes planos é que o seu impacto continua pouco visível nas comunidades onde são realizados. Na Zambézia, por exemplo, ainda há 77% da população que faz necessidades maiores ao relento por falta de vasos sanitários, em pleno século XXI.

Aliás, a Visão Mundial diz ter construído, de 2013 a 2014, 340 furos de água que beneficiam 170 mil pessoas em Muecate, Nacarôa e Murrupula, onde milhares de cidadãos continuam sem acesso a água potável e ao saneamento do meio. Idalina Alfai, gestora do programa Água e Saneamento naquela instituição, vincou que os projectos levados a cabo visam incentivar as comunidades a conhecerem as boas práticas sobre a higiene.

As latrinas estão a ser também construídas nas escolas, locais onde até nos centros urbanos os alunos defecam ao relento e não dispõem do precioso líquido. “Hoje, as comunidades têm o hábito de recorrer aos rios, às matas para fazer necessidades maiores, um caso que põe em risco a própria saúde e nós pretendemos minimizar a situação”, disse Idalina Alfai.

A representante do Governo da Islândia, Einar Jainer, disse que estão a ser desenvolvidos esforços para que nos próximos três anos 48 mil pessoas e 40 escolas tenham água potávele estejam sensibilizadas sobre a necessidade de observar as práticas positivas sobre a higiene. Américo Chivale, director provincial das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, prometeu também criar melhores condições de vida em termos de acesso a água e saneamento a cinco distritos, dos quais Gilé e Gurúè.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!