Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Cuidados básicos para seropositivos poderão custar entre 25 a 30 USD

Francisco Assanali, em representação da Vestergaard-Frandsen, uma multinacional especializada no desenvolvimento de produtos para controlo de doenças e intervenções em situações complexas, desenvolveu recentemente o pacote de cuidados básicos preventivos para Pessoas Vivendo com HIV-Sida (PVHS), o carepack.

Esta empresa tem estabelecida uma parceria com o Gabinete da Esposa do Presidente da República, Maria da Luz Guebuza, e mais recentemente com o Instituto Criança Nosso Futuro.

Em que consiste o carepack?

O carepack é um pacote que integra vários produtos destinados a prevenir algumas das doenças mais comuns em pessoas vivendo com HIV-Sida, nomeadamente, a malária, as doenças diarreicas e o próprio HIV pelas reinfecções. Os componentes principais do carepack são redes mosquiteiras tratadas com insecticida, um filtro de água microbiológico familiar, preservativos e material de informação, educação e comunicação. Poderão ser adicionados profilaxias (Contrimoxazol, Isoniazida) e multivitaminas dependendo da política em vigor no país.

Qual é o período de duração e o custo do pacote Carepack?

As redes mosquiteiras e os filtros de água podem beneficiar uma família típica de cinco elementos por três anos. Os filtros de água têm uma capacidade de 18 mil litros e as redes mosquiteiras são tratadas com insecticidas e não é necessário retratá-las. Os preservativos garantem assistência por um ano.

O pacote varia entre 25 e 30 dólares americanos, dependendo dos seus componentes. O Carepack é um pacote cujos beneficiários não são apenas pessoas infectadas, mas todos os elementos da família, dado que contêm produtos de prevenção.

De uma forma sucinta, quais são as vantagens da provisão de um pacote de cuidados básicos para Pessoas vivendo com HIV-Sida?

Estudos apontam para uma correlação entre as três doenças mencionadas. sabemos que a parasitemia de malária em Pessoas vivendo com HIV-Sida é duas vezes mais comum e que cada episódio poderá contribuir para o declíneo de 40 em contagem CD4. Por outro lado, as doenças diarreicas são até sete vezes mais comuns em adultos com HIV comparativamente ao resto da população.

Entre as principais vantagens destacamos a prevenção de doenças às quais estas pessoas são mais sensíveis, bem como o potencial de retardação do HIV em pessoas infectadas. Os estudos efectuados apontam que os benefícios de saúde (ganhos) traduzem-se em vantagens económicas, comparativamente ao impacto da morbilidade e mortalidade, e o custos de tratamento.

O que são contagens em CD4?

São cálculos que nos permitem medir a imunidade (capacidade de resistência às doenças) das pessoas. Quanto maior for a contagem em CD4, maior a sua capacidade de resistência. Esta contagem diminui e piora a condição de saúde das pessoas infectadas pelo HIV, dada a correlação que estabelece com a malária e doenças diarreicas.

Poderá descrever um pouco mais os estudos a que se refere?

Sim, por exemplo, foi feita uma campanha integrada de saúde no Quénia, onde numa população rural juntou-se à distribuição de carepacks com uma acção de aconselhamento e testagem. Os carepacks foram distribuídos de uma forma gratuita.

Conseguiu-se testar acima de 80% da população nesta comunidade, que passou a saber o seu estado de seroprevalência, mas, por outro, passou a dispor de uma ferramenta de prevenção alargada à família.

Analisando a posterior os custos e benefícios, concluiu-se que por cada participante o efeito preventivo adiciona cerca de 441 dias em anos de vida ajustados por incapacidade, uma medida que visa calcular o impacto de saúde retirando o efeito da morbilidade e mortalidade comuns associados as 3 doenças.

Em que programas se pode implementar este pacote de cuidados preventivos?

Poderá ser distribuído nos locais onde as pessoas já estão a receber cuidados de saúde, ou juntamente em acções de aconselhamento e testagem, em empresas ou na população em geral.

A Vestergaard-Frandsen tem capacidade para cobrir as necessidades do país, tendo em conta o elevado índice de seroprevalênvia e das doenças oportunistas (malária e diarreias)? Somos uma multinacional que está a operar há cinco anos e temos capacidade, em termos logísticos, para cobrir Moçambique à escala nacional, isto é, toda a população.

Quando é que inicia a vossa actividade em Moçambique?

Depende da celeridade das políticas de saúde. No momento estamos a desenvolver contactos com as autoridades de saúde e pensamos que a curto e médio prazos deveremos começar as nossas actividades. Estamos também a introduzir acções pontuais com as empresas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!