Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

CSN fracassa na tentativa de comprar a cimenteira Cimpor

A Oferta Pública de Aquisição lançada pela brasileira CSNCompanhia Siderúrgica Nacional sobre a cimenteira portuguesa Cimpor fracassou. Apesar de ter aumentado o valor de cada acção para 6,18 euros, a proposta apresentada pelo grupo siderúrgico brasileiro não foi suficiente para animar os accionistas e investidores.

De acordo com os dados divulgados nesta terça-feira (23), as ordens de venda chegaram, a apenas 8,5 por cento, o que está bastante longe da última meta estabelecida pela CSN que pretendia adquirir pelo menos 33 por cento do capital, mais uma acção. “Tendo sido definida, no prospecto da oferta, uma condição de eficácia consistente na aquisição de, pelo menos, 1/3 das acções mais uma, e não se tendo verificado essa condição, face aos resultados agora apresentados oficialmente, declara-se que a OPA não atingiu os seus objectivos”, de acordo com o comunicado divulgado terça-feira.

Consequentemente, “não são transaccionados quaisquer valores mobiliários no âmbito da oferta”, ainda que a CSN tenha recebido manifestações de interesse na venda de um total de 57,5 milhões de acções da Cimpor. Nenhum dos grandes accionistas se mostrou disponível para vender à CSN, depois das operações que colocaram as brasileiras Camargo Corrêa e Votorantim no núcleo central de controlo do grupo português de cimentos, também presente no Brasil.

Votorantim e o empresário português Manuel Fino rejeitaram as propostas feitas nos últimos dias pela administração da CSN, controladora da siderúrgica portuguesa Lusosider, depois do banco estatal Caixa Geral de Depósitos (CGD) e a Camargo Corrêa se terem manifestado indisponíveis para vender. Uma posição que foi acompanhada pelo fundo de pensões do Banco Comercial Português (BCP), que após uma posição inicial favorável à venda à CSN, acabou por rejeitar a proposta.

Refira-se, entretanto, que a CIMPOR controla uma unidade fabril nas imediações da Cidade da Beira, além de outras duas em Maputo e Nampula, totalizando três em Moçambique.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!