Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Crise na Tunísia agrava-se depois do anúncio de dissolução do governo

Políticos islâmicos contestaram, esta Quinta-feira (7), a decisão do seu líder, o primeiro-ministro Hamdi Jebali, de dissolver o gabinete depois do assassinato de um influente oposicionista, crime que motivou as maiores manifestações populares no país desde a revolução de 2011.

Os manifestantes incendiaram uma delegacia na cidade de Kelibia e a sede do partido governista Ennahda, um grupo islâmico moderado, em Túnis. Nos arredores do Ministério do Interior, os policiais usaram gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes, e pelo menos sete pessoas ficaram feridas em Gafsa.

Uma multidão saqueou lojas de aparelhos electrónicos na cidade de Sfax. Novos distúrbios podem acontecer, esta Sexta-feira, quando os sindicatos planeiam uma greve geral em protesto pelo assassinato do político laico Chokir Belaid.

O seu funeral, no mesmo dia, deve ser outro foco de protestos. Um assessor de Hussein Abassi, líder da maior central sindical tunisiana, a UGTT, disse que ele recebeu uma ameaça de morte após anunciar a greve geral, a primeira no país em 34 anos.

Temendo mais violência, muitas lojas de Túnis fecharam às 14h, e a França, ex-potência colonial, disse que vai fechar as suas escolas em Túnis, Sexta-feira e Sábado.

Jebali, do partido Ennahda, anunciou, na noite da Quarta-feira, que irá nomear um gabinete provisório composto por tecnocratas em substituição a ministros do seu partido islâmico moderado.

Ele também disse que convocará eleições logo que for possível. Mas os dirigentes do Ennahda disseram que Jebali não consultou o partido, o que indica que o grupo islâmico está profundamente dividido a respeito da demissão do gabinete.

“O primeiro-ministro não pediu a opinião do seu partido”, disse o vice-presidente da agremiação, Abdelhamid Jelassi. “Nós, do Ennahda, acreditamos que a Tunísia precisa de um governo agora. Vamos continuar as discussões com outros partidos sobre a formação de uma coligação de governo.”

Dois partidos da coligação e os principais grupos de oposição também rejeitaram a nomeação de um gabinete de tecnocratas e exigiram que sejam consultados antes da formação de um novo governo.

O anúncio de Jebali ocorreu horas depois de Belaid ser assassinado à frente da sua casa, em Túnis, por um motociclista que fugiu. Ninguém assumiu a autoria do crime, e a direcção do Ennahda disse não ter nada a ver com ele.

Apesar disso, uma multidão ateou fogo à sede do Ennahda, que formou a maior bancada nas eleições legislativas de 16 meses atrás, as primeiras no país depois da revolução que derrubou o ditador Zine al-Abidine Ben Ali. Os protestos chegaram também à localidade de Sidi Bouzid, berço da chamada Revolução de Jasmim.

Belaid era um advogado esquerdista que tinha relativamente poucos seguidores políticos, mas que falava por muitos que temem restrições de radicais religiosos às liberdades conquistadas na rebelião que deu início à Primavera Árabe, há dois anos. Jebali deve continuar interinamente no seu cargo, algo que desagradou grupos de oposição.

“Todo o governo, inclusive o primeiro-ministro, deveria renunciar”, disse Beji Caid Essebsi, ex-primeiro-ministro que dirige o partido laico Nida Touns. O analista político Salem Labyed disse que a oposição parece ter a intenção de tirar proveito da crise, e que a incerteza política prolongada pode gerar mais distúrbios.

“Parece que a oposição quer assegurar o máximo possível de ganhos políticos …, mas o temor é de que a crise no país se aprofunde se as coisas continuarem obscuras no nível político.

Isso poderia elevar a ira dos apoiantes da oposição secular, que podem voltar às ruas outra vez”, afirmou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!