Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

COREP procura regular ensino técnico

A Comissão Executiva da Reforma da Educação Profissional (COREP) iniciou na segunda-feira, em Maputo, uma série de consultas públicas visando formular uma proposta do órgão regulador do sistema de ensino técnico em Moçambique.

A proposta será elaborada no âmbito das reformas do ensino técnico profissional em curso no país desde 2006. A fase piloto desta reforma está em implementação desde o ano passado, devendo terminar em 2011. Falando hoje a imprensa, o gestor do COREP, Luís Loforte, disse que a proposta sobre o órgão regulador deste subsector de ensino poderá ser submetida ao Governo ainda este ano.

 Actualmente, existem diversas instituições que regulam o ensino técnico em Moçambique, entre elas a Direcção Nacional de Ensino Técnico Profissional (subordinado ao Ministério da Educação) e o Instituto de Emprego e Formação Profissional (subordinado ao Ministério do Trabalho). A Direcção Nacional de Ensino Técnico Profissional é ao mesmo tempo órgão regulador e implementador deste subsector de ensino. “Contudo, o novo sistema obriga a existência de apenas um órgão regulador a registar e a fazer acreditação das instituições de ensino”, explicou Loforte.

A auscultação de hoje visa também colher sensibilidades sobre a questão de financiamento do ensino técnico profissional para arcar com as despesas logísticas, equipamento, formação de professores, consumíveis de aulas práticas, entre outras. Loforte explicou que, com a auscultação, ficará claro o nível de envolvimento do Estado, sector produtivo e das famílias no financiamento do ensino técnico.

Dentre várias acções, o COREP desenvolveu novos currículos baseados em competências, trabalho realizado desde o início da reforma em 2006. Desde essa altura, ano passado (2009), este organismo iniciou a implementação da fase piloto da reforma, com a introdução de cursos de Administração e Gestão, Manutenção Industrial, Hotelaria e Turismo bem como de Agro-processamento leccionados a cerca de 500 estudantes em cinco instituições de ensino espalhadas pelo país. Depois da fase piloto, que termina no próximo ano, começa a de expansão que se vai estender até 2016.

Depois desse ano até 2020 vai decorrer a fase de consolidação. Loforte disse ser difícil agora fazer o balanço da implementação da fase piloto da reforma, dado que os estudantes abrangidos só poderão ser graduados nos próximos dois anos. Contudo, um dos avanços a notar é que o número de instituições de ensino técnico existentes em Moçambique subiu de cerca de 40 há quatro anos para pouco de 90 actualmente.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!