Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Coreia vai conceder 18 milhões USD para ensino técnico

A Coreia do Sul concederá um pacote financeiro no valor de 18 milhões de dólares americanos destinados a financiar a construção e equipamento de escolas técnico-profissionais nas províncias de Zambézia (centro) e em Nampula e Niassa (norte).

O acordo está em estreita consonância com um dos maiores objectivos do governo que reside no Reforço da Educação Técnico-Profissional, sobretudo nesta era em que o subsistema assume um papel de relevo, mercê das recentes descobertas que o país está a fazer no domínio dos recursos minerais.

Para a sua concretização, os governos de Moçambique e da Coreia assinaram, esta Quinta-feira (12), em Maputo, um Acordo de Empréstimo para a Área da Formação Profissional.

O acordo em referência foi rubricado pelo Ministro da Finanças, Manuel Chang, e o vice-Presidente do “Exim Bank” da Coreia, Byun Sang Wan.

Na mesma ocasião, os dois governos rubricaram igualmente um memorando de entendimento e um Acordo para a Importação das Experiências da Coreia.

Os três acordos, testemunhados pelo Primeiro-Ministro, Aires Ali, e o homólogo coreano, Kim Hwang-Sik, de visita ao país desde quarta-feira, surgem no âmbito das negociações entre as duas delegações, que versaram sobre os aspectos económicos e sociais.

O memorando, cujo tempo de vigência não especificado, foi assinado pelo Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Henrique Banze, e pelo homólogo coreano Lew Ilwang Chool. O último acordo foi rubricado pelo Vice- Ministro dos Recursos Minerais, Abdul Razak, e o homólogo Moon Jaedo.

Manuel Chang, que apresentou uma resenha das negociações havidas na manhã de hoje, disse que o primeiro acordo se reveste de extrema importância tendo em conta a área para a qual se destina.

“Nos consideramos o acordo importante, tendo em conta o facto de estar para financiar um sector também importante que é a educação e a nível da própria educação estar a financiar a componente da formação técnica profissional”, disse o Chang.

O titular da pasta das finanças disse, por outro lado, que o mesmo foi negociado em 2011 e o actual estágio da assinatura do acordo resulta das negociações havidas no ano transacto.

Entretanto, sempre que acordos são rubricados, segundo Chang, o que tem de acontecer é que o documento deve ser submetido ao Conselho de Ministros e depois a obtenção duma opinião legal pela Procuradoria da República, para a sua entrada em efectividade.

“Entrando em efectividade iniciam os desembolsos e o tempo médio deve ser, penso eu, até 60 dias. Do nosso lado, tudo faremos para que este tempo seja reduzido, porque estamos mais interessados na consumação deste projecto”, explicou o ministro.

Quanto ao memorando, o primeiro de género, ele disse que visa cimentar o relacionamento entre os dois países, desde a troca de informação, assistência técnica e mesmo em relação as acções conducentes as actividades de terreno.

Em relação ao terceiro e último acordo assinado entre os dois países, a fonte disse que o seu objectivo fundamental é colher as experiências da Coreia.

“Sabemos que a Coreia é um país que teve sucessos na implementação de várias reformas e a sua história mostra que, há 50 anos, estava pior que nós hoje, mas as reformas levaram ao estágio de desenvolvimento em que o país que está”, disse o ministro.

Desta feita, estando o país na fase de implementação de diversas reformas, é, segundo Chang, de total interesse de Moçambique alcançar aquilo que é o desenvolvimento que esses países alcançaram e o desejo é assegurar mais informação, troca de conhecimento e estudar melhor o processo trilhado pela Coreia.

Em relação a área de hidrocarbonetos, uma vez que o terceiro acordo foi assinado pelo vice-ministro dos recursos minerais, Chang disse haver empresas coreanas no terreno a trabalhar a nível do sector e o país está interessado, mas tudo inicia neste processo e contactos havidos entre as partes.

O interesse de Moçambique, segundo o ministro, é atrair investimento para este sector que é também importante para o país neste momento.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!