Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Comité Central da Frelimo defende: riqueza resulta do trabalho

O Comité Central da Frelimo, partido no poder em Moçambique, defende que é chegado o momento dos moçambicanos compreenderem que a riqueza resulta do trabalho árduo e empenho de cada um. Assim, a cultura do trabalho deve ser incentivada no seio dos moçambicanos, segundo disse hoje a jornalistas, Edson Macuacua, secretário para a mobilização e propaganda da Frelimo, e porta-voz da IV Sessão do Comité Central que decorre desde, a passada Quinta-feira, no município da Matola, província de Maputo.

O manifesto da Frelimo para as eleições Gerais e Assembleias Provinciais de 28 de Outubro, prioriza a promoção da cultura de trabalho, com objectivo de incentivar a criação de riqueza, emprego, auto-emprego, como forma de combater a pobreza no país.

Para tal, a Frelimo garante que vai criar “um clima político, jurídico e institucional que estimule iniciativas públicas e privadas de criação de emprego”. “É altura das pessoas perceberem que a riqueza resulta do trabalho e a cultura de trabalho deve ser incentivada. As pessoas devem procurar trabalho e não propriamente emprego. Devem criar a sua própria fonte de renda”, sublinhou.

Moçambique é um dos países mais pobres do mundo, não obstante os recursos naturais de que dispõe. O país possui recursos energéticos, minerais, turísticos, entre outros, em abundância. Ainda, Moçambique tem grandes extensões de terra fértil e propicia para a prática de agricultura, bem como condições hídricas favoráveis para irrigação. Estas condições, bem aproveitadas, tornariam Moçambique num país com um crescimento e desenvolvimento económico assinaláveis.

De referir que o país já está a registar níveis de crescimento económico assinaláveis, porém o desafio continua a ser o impacto nas condições de vida dos moçambicanos. A situação do país é complicada devido a dependência acentuada em relação a ajuda externa. Os recursos financeiros existentes são exíguos para serem alocados de forma satisfatória aos sectores prioritários.

Esta situação é acentuada pelo fraco investimento de nacionais nos sectores determinantes para o desenvolvimento do país, sobretudo agricultura, que emprega ou ocupa maior parte dos moçambicanos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!