Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Cidade de Maputo regista 10 acidentes de viação, sete causados por condutores bêbados e ilegais e cinco pessoas morreram

A condução sob o efeito de álcool, um dos problemas que têm sido relatados com preocupação, todas as semanas, pela Polícia da República de Moçambique (PRM), devido aos danos humanos e materiais em que resultam, prevalece. Dos 10 sinistros rodoviários registados entre 21 e 27 de Setembro, na capital do país, cinco foram protagonizados por automobilistas embriagados e dois por pessoas que não estavam habilitadas para se fazerem ao volante. Por conseguinte, cinco cidadãos pereceram, e igual número contraiu ferimentos graves e 11 ligeiros.

Desta dezena de acidentes, cinco foram do tipo atropelamento carro-peão, duas colisões entre veículos, um embate entre viatura e motorizada, um despiste e capotamento e um caso de perda de direcção e choque contra um obstáculo fixo.

De acordo com Orlando Mudumane, porta-voz do Comando da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Maputo, foram também registadas quatro danos materiais avultados nas viaturas envolvidas na tragédia.

Na mesma semana, em que 62 indivíduos foram presos por vários crimes, dos quais 40 contra propriedade, 15 contra pessoas e sete contra a ordem e tranquilidade públicas, a Polícia de Trânsito (PT) fiscalizou 3.020 carros, dos quais foram 27 apreendidos por diversas irregularidades, impôs 1.010 avisos de multas e submeteu 111 automatistas ao teste de alcoolemia. Destes, pelo menos 37 faziam-se ao volante sob o efeito de níveis elevados de bebedeira.

Numa outra operação, segundo Orlando Mudumane, a PRM colocou fora de acção dois presumíveis meliantes que integravam uma quadrilha que se dedicava ao roubo de viaturas na via pública, com recurso a armas de fogo, em Maputo. Na posse dos visados foi recuperada uma pistola com 14 munições.

Enquanto isso, no Aeroporto Internacional de Mavalane, seis indivíduos foram inibidos e permanecer em Moçambique por porte de passaportes sem visto de entrada.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!