Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
ADVERTISEMENT

Chita reaparece no Parque Nacional do Limpopo

Dez chitas foram, recentemente, visualizadas no Parque Nacional do Limpopo (PNL), na província meridional de Gaza, espécie que tinha sido dada como extinta naquela estância turística em consequência do seu abate indiscriminado durante o conflito armado que durante 16 anos opôs agentes do Governo da FRELIMO e guerrilheiros rebeldes da RENAMO.

Fonte do PNL disse,segundo o Correio da manhã, que exemplares daqueles animais foram vistos naquela estância em Maio de 2012 por um casal de biólogos da Universidade de Pretória, da África do Sul, que está a realizar estudos de investigação científica no local.

A pesquisa em curso incide basicamente sobre casos de abate indiscriminado de animais por camponeses que ainda vivem dentro daquela estância turística devido ao demorado processo da sua retirada para fora da mesma.

O estudo tem em vista obter informações sobre o estado e distribuição de animais ferozes na região, incluindo a presença da chita, segundo o biólogo Kristoffer Everatt Leah, do Centro de Maneio de Vida Silvestre da Universidade de Pretória, indicando que o casal já identificou 10 exemplares de chitas, incluindo uma fémea grávida e vários machos.

“Esta é uma notícia muito emocionante, uma vez que é a primeira evidência concreta do reaparecimento da chita no Parque Nacional do Limpopo que foi extinta durante os anos de guerra civil”, destacou Leah.

No que toca a resultados da investigação sobre o abate de animais para consumo, Kristoffer Leah disse ter também ficado surpreendido com a existência de poucos casos do género, contrariamente ao que acontece noutros países onde está em curso o processo de repovoamento dos seus parques.

“Aqui encontramos muito poucos casos de abate de animais para consumo, o que nos deixa maravilhados”, considerou aquele biólogo que está há cerca de seis meses envolvido na investigação sobre a matéria.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!