Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Cheias em Namacurra e na Maganja da Costa

A bacia do rio Licungo, na província da Zambézia, Centro de Moçambique, tem registado uma subida acentuada do seu caudal, provocando cheias nos distritos de Namacurra e Maganja da Costa.

De acordo com Rute Nhamucho, da Direcção Nacional das Águas (DNA), encontram se na situação de cheias ou em risco as localidades de Nante-Sede, Alto Mutola, Moneia Malugune, Muoloa, Nomiua (Maganja da Costa) e Malei, Muebele e Furquia e Mbaua (Namacurra).

“A bacia do Licungo vem registando a subida do seu caudal desde domingo, tendo-se acentuado esta segunda-feira. O pico do caudal das águas supera os registos do ano 2000. Os níveis das águas, no Licungo, já atingem 8.15 metros, na estação local em Mocuba, contra 7,7 de 2000 e 2001 e 7,6 metros de 2013. ? Pode haver uma estabilização dos níveis nos próximos dois dias, mas poderão voltar a subir no terceiro dia porque ainda há uma previsão de chuvas para aquela região?”, afirmou Nhamucho, em conferência de imprensa em Maputo.

Segundo a fonte, existem algumas bacias que mesmo não estando em cheias, transportam um volume significativo de águas. É o caso da bacia do Púngoè que ainda tem volumes altos na localidade de Mafambisse, Búzi com volumes altos em Dombe, baixo Zambeze no geral e do rio Messalo, em Miangaleua e Nairote. ?Estas bacias hidrográficas não estão numa situação de cheias, mas estão com níveis acima de alerta. Continuamos a fazer o monitoramento e acreditamos que, nestas bacias, há-de haver uma estabilização, dado o abrandamento da precipitação?.

A fonte explicou que para a zona norte, sobretudo na bacia de Messalo e Lugenda, poderá continuar a tendência de subida dos níveis das águas, porque ainda há uma previsão de chuvas na região. Assim, a DNA apela às comunidades, em situação de risco, a se retirarem, imediatamente, das zonas em causa.

Por seu turno, a porta-voz do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), Rita Almeida, afirmou que estão em risco cerca de nove mil pessoas. ” ?Existem locais já seguros. O que estamos a fazer no terreno é informar as pessoas da aproximação do perigo. As pessoas estão se retirando, voluntariamente, para as zonas mais seguras”?, disse Rita Almeida.

Em 2013, o INGC reassentou vitimas das cheias nos distritos de Maganja da Costa e Namacurra. São esses mesmos locais que poderão acolher as famílias afectadas pelas presentes cheias. No que tange às embarcações, a fonte garantiu que existem quatro, no local, mas serão retiradas cinco que se encontram na bacia do Save para reforçar as operações no Licungo.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!