Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Chefe do Estado Maior nega tensão nas FADM

O Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas e de Defesa de Moçambique (FADM), Paulino Macaringue, refuta a existência de um ambiente de tensão no seio das forças armadas, afirmando que se o mesmo existe, não é do seu conhecimento.

“Não tenho conhecimento dessa situação. As Forças Armadas estão empenhadas em fazer o seu trabalho por forma a garantir a tranquilidade dos moçambicanos e a integridade do pais.Moçambique está bem em termos de segurança, assim como a nível sócio-político e económico”, assegurou Macaringue, à margem da Quarta Sessão da Comissão Conjunta Permanente de Defesa e Segurança Moçambique-Zimbabwe, que decorre desde esta quarta-feira na capital do país, Maputo.

O encontro que junta peritos de Defesa e Segurança de Moçambique e Zimbabwe vai preparar a reunião dos ministros desta área a decorrer até amanhã, passando em revista a situação prevalecente nos dois países no domínio da defesa e segurança, bem como fortalecer, os laços de amizade, cooperação e boa vizinhança existente entre estes Estados.

Para o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas e de Defesa de Moçambique, esta constitui mais uma oportunidade para os dois países abordarem matérias de interesse mútuo que contribuam para uma melhor cooperação e colaboração entre, as instituições de defesa e segurança em prol da criação de um ambiente de paz e estabilidade, principais factores para promover o bem estar dos respectivos povos.

Macaringue classificou de normal a entrada massiva de cidadãos zimbabweanos no país, explicando que quando um país atravessa uma situação de crise quer financeira, política e ou de conflito, os seus cidadãos emigram à procura de melhores condições, e a atitude dos moçambicanos, deve ser de ajudálos, desde que respeitem as leis e situação tem que ser de solidariedade.

O Zimbabwe está a atravessar um momento delicado, embora neste momento esteja a registar melhorias, e estes nossos irmãos precisam de ajuda”, advertiu Macaringue. Por seu turno, Constantino Gouveia, Comandante das Forças de Defesa do Zimbabwe, reconheceu que o desafio do seu país continua a ser a recuperação económica. Disse que “os problemas económicos que o Zimbabwe atravessa fazem com que muitos compatriotas seus procurem fronteiras de outros países, e se envolvam em situações criminosas com destaque para o contrabando”. Assegurou que este comportamento não vai de acordo com as políticas interna e externa do Zimbabwe, e que as Forças de Defesa e Segurança irão fazer de tudo para que estas situações de violação de frontiras contrabandos entre outros crimes sejam combatidas. De fererir que o último encontro a este nível se realizou há dois anos em Harare, cidade capital Zimbabweana.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!