Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Chefe da UE cessa funções em Moçambique

O Presidente moçambicano, Armando Guebuza, recebeu, quinta-feira, em Maputo, cumprimentos de despedida do Chefe da Delegação da União Europeia (UE) no país, Glauco Calzuola.

Durante o encontro realizado na Presidência da República, as duas partes fizeram balanço da cooperação entre a UE e Moçambique que, segundo Calzuola, têm sido “aberta, frutuosa e baseada num dialogo aberto e construtivo”.

“Fizemos um balanço positivo da nossa cooperação. O Presidente Guebuza faz um balanço positivo e considera a UE como um dos principais parceiros de cooperação de Moçambique e, como disse antes, as nossas relações são abertas e frutuosas no sentido de encontrarmos respostas mais eficazes para os desafios do país”, disse Calzuola, falando a jornalistas momentos depois do encontro com o estadista moçambicano.

Calzuola disse que a UE é um parceiro muito antigo de Moçambique e, desde há anos, tem vindo a acompanhar de perto a sua evolução político-económica e adoptar os instrumentos de financiamento desta organização continental para a assistência do país.

Segundo a fonte, esta organização vai continuar a apoiar Moçambique, mesmo para situações de emergência como são os casos de calamidades naturais que ora assolam o país.

A UE é um dos parceiros estratégicos de Moçambique, estando entre os 19 financiadores do orçamento do Estado, além de também canalizar apoios sectoriais para as áreas da Saúde, Agricultura, fundo rodoviário, infra-estruturas, entre outras.

A ajuda programática da UE é estimada em 622 milhões de euros, valor canalizado pela organização através de um fundo de apoio válido durante o período 2008/2013.

Mas além desse financiamento, há várias outras linhas de orçamento disponibilizadas por esta organização, particularmente para atender a situações de emergência.

Por exemplo, em Outubro do ano passado, a organização aprovou um financiamento de 22 milhões de euros para apoiar o país na assistência alimentar.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!