Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

CFM: reabilitação e construção de infra-estruturas consome mais de 20 biliões de dólares

A Empresa Pública Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM-EP) está a investir, com recurso ao auto-financiamento, créditos bancários e parcerias público-privadas entre 20 a 25 biliões de dólares norte-americanos na construção e reabilitação de grandes projectos nas regiões sul, centro e norte.

Rosário Mualeia, presidente do Conselho de Administração da empresa CFM, falando, Quarta-feira, em Maputo, durante a XVII reunião do Conselho de Directores, disse que estes investimentos visam responder a demanda de soluções para a logística imposta pela descoberta de minérios e hidrocarbonetos.

Assim, segundo Mualeia, estão em curso os projectos do Corredor do Norte, construção do Porto de Águas Profundas de Macuse e respectiva linha, desenvolvimento de Portos de Gás e Comercial de Palma, reabilitação da ponte cais da Praia, do porto de Pemba e a construção da plataforma logística de Cuamba.

Este pacote de investimen- tos inclui ainda a efectivação do projecto que liga o centro ao norte, a reabilitação da Linha de Sena, Terminal de Carvão do Porto da Beira, Cais de Rebocadores, Corredor de Techobanine e a reabilitação de 306 vagões dos CFM-Centro.

O projecto do Corredor do Norte, orçado em 44,3 biliões de meticais (um dólar equivale a cerca de 30 meticais ao câmbio corrente) e iniciado em 2012, deverá terminar em 2015.

O mesmo consiste na construção de uma linha férrea Moatize-Nacala-a-Velha via Malawi e uma nova terminal de carvão e Cais de Nacala- a-Velha para a criação de um corredor logístico com capacidade de 30 milhões de toneladas de carga por ano.

A construção do Porto de Águas profundas de Macuse e respectiva linha férrea, ligando o distrito de Moatize a Macuse, com capacidade de 25 milhões de toneladas por ano (MTPA), segundo o PCA, está orçado em 87 biliões de metic- ais, com o arranque das obras agendado para o presente ano.

“Em implementação está o projecto de desenvolvimento de Portos de Gás e Comercial de Palma, um projecto que tem os CFM e Empresa nacional de Hidrocarbonetos (ENH) como principais concessionários. A tarefa é desenvolver operações tendo em vista tornar os serviços, modernos, acessíveis, eficientes, competitivos e adequados a actual demanda”, disse Mualeia. O projecto, que deverá ser implementado no período 2012/18, está orçado em 70 milhões de meticais.

O PCA disse estarem em processo de laboração de reabilitação da Ponte Cais de Mocímboa da Praia (1,4 milhões de meticais) a ser implementado em entre 2013 e 2014, o da expansão do porto de Pemba (4,3 mil milhões de meticais a ser implementado entre 2012 e 2017 e a Plataforma logística de Cuamba (140 milhões de meticais cujo prazo de realização é entre 2012 e 2017.

Os projectos incluem também a efectivação no período compreendido 2012/14, da ligação Centro-Norte (140 milhões de meticais) para garantir exportação de 25 milhões de toneladas anuais de carvão de Moatize, reabilitação de linha de Sena para aumentar a sua capacidade para 20 MTPA, orçado em 7,2 biliões de meticais que teve início em 2012 e que deverá terminar 2015.

Mualeia abordou ainda da reabilitação de 306 vagões dos CFM-Centro para atender as necessidades da linha de Sena e Machipanda, orçada em 300 milhões de meticais a ser efectivada no período 2013/14 e a aquisição de 10 locomotivas (orçadas em três biliões de meticais) para reforçar a capacidade de transporte de mercadorias e passageiros.

A reabilitação do Cais de Rebocadores no Porto da Beira (2012-2014) orçada em 132 milhões de meticais já está em curso. O projecto do Corredor de Techobanine, na região sul, visa z construção de raiz de um porto de águas profundas para navios de grande calado, um complexo industrial e uma via-férrea ligando, Moçambique ao Botswana (via Chicualacuala e Zimbabwe, avaliado em 42 biliões de meticais, na primeira fase e com projecções de tráfego entre 10 a 50 milhões de toneladas anuais.

“Este porto poderá ser expandido para acomodar um trafego até 200 MTPA de carga a granel em duas bacias e quatro termi- nais, designadamente, terminal de Propósitos Múltiplos e Carga Geral, Terminal de Combustíveis (para reservas estratégicas), Terminal de produtos Petroquímicos e Terminal de Passageiros e Marina”, explicou Mualeia.

Neste âmbito, segundo Mualeia, está agendado para o período 2013-2014, a reabilitação na Nave oficinal do departamento de material a motor nas Oficinas Gerais, Gare de Triagem e Revisão de Maputo uma obra orçada em 54 milhões de meticais, bem como a expansão da Terminal de Contentores avaliada em 2,9 milhões de meticais que deverá terminar em 2015.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!