Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

“Caso MBS”: MDM pede intervenção urgente do Governo

A Bancada do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) no parlamento (AR) pediu hoje a intervenção ‘urgente’ do Governo para averiguar a veracidade ou não das acusações dos Estados Unidos (EUA) contra o empresário moçambicano, Mohamed Bachir Suleman. “Como partido e bancada consideramos ser responsabilidade do Governo accionar mecanismos necessários para se averiguar, urgentemente, se esta acusação tem ou não a ver com a verdade”, disse esta quinta-feira o Chefe da Bancada do MDM, na AR, Lutero Simango.

Em conferência de imprensa, Simango indicou que, para tal, o Governo moçambicano pode muito bem recorrer a mecanismos nacionais e mesmo internacionais. A nível internacional, Moçambique é subscritor de várias convenções sobre esta matéria, e, a nível interno, existe uma lei que lida com o branqueamento de capitais. “Este nosso apelo surge porque há toda a necessidade de se repor o bom-nome até do próprio Estado moçambicano. Da mesma maneira como o Bachir disse ser inocente, o Governo também deve aparecer a reagir”, sublinhou Simango, falando na companhia do Secretario Geral do MDM, Ismael Mussa.

De acordo com a fonte, “este é um assunto que não pode ser ignorado porque é preciso salvaguardar o bomnome dos moçambicanos”. “Se o Governo não fazer nada, vamos a uma situação difícil da nossa economia. Para além de que o silêncio pode significar cumplicidade em relação a uma situação grave”, frisou a fonte. Segundo Simango, a acusação é feita dentro do quadro legal americano, daí a necessidade de Moçambique agir internamente. “E se for verdade, aí os tribunais terão campo de agir mas, se não for verdade, os dois estados encontrarão formas de acabar com o assunto”, explicou o Chefe da bancada parlamentar do MDM.

Ele sublinhou que “o que est’a em causa não é só o cidadão Mohamed Bachir Suleman, mas sim todo o povo moçambicano, para alem das consequências negativas para a própria economia”. Terça-feira última, o Governo norte-americano acusou o Presidente do Grupo MBS, Bachir Suleman, de liderar uma rede de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro em Moçambique.

Quarta-feira o empresário em questão prometeu, em conferência de imprensa, recorrer até as últimas circunstâncias para ver o seu “bom nome” e honra repostos depois das acusações já que, segundo Ele, são falsas e não passam de mera difamação, garantindo que nunca se envolveu em actividades ilícitas. Bachir disse que a sua actividade empresarial é transparente, daí que está disposto a colaborar com as entidades de investigação nacionais e internacionais no esclarecimento do caso.

Os EUA declararam Bachir “barão de droga” nos termos da ‘Lei Kingpin’, de 1999, que dá luz verde ao Governo norte-americano para impor sanções económicas e financeiras contra traficantes de droga estrangeiros. As sanções impostas a Bachir implicam automaticamente o congelamento dos seus bens em território norte-americano e proíbem as entidades norte-americanas de realizarem transacções financeiras ou comerciais com as empresas do empresário.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!