Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Carteira de crédito em moeda estrangeira cai 8,4%

A carteira de crédito em moeda estrangeira registou um decrescimento na ordem de 8,4%, em 2011, devido à restrição regulamentar introduzida pelo Banco de Moçambique (BM) no seu aviso 5/ GGBM/2005.

A desaceleração começou a partir do segundo semestre de 2010, tendo em Agosto de 2011 atingido o valor mais baixo dos últimos quatro anos, segundo o relatório anual de 2011 do banco central moçambicano, sublinhando que a evolução do crédito em moeda estrangeira continua sendo fortemente condicionada à restrição regulamentar introduzida pelo Aviso 5/ GGBM/2005, de 20 de Maio, sobre provisões especiais para crédito em moeda estrangeira.

Por seu turno e embora tenha registado um crescimento em termos absolutos, o crédito em moeda nacional também mostrou no período em análise uma tendência de desaceleração da taxa de crescimento ao longo do tempo, de acordo ainda com o documento do BM, salientando que duas instituições bancárias moçambicanas com maior representatividade sistémica têm vindo a contribuir com maior peso para a evolução do crédito em moeda estrangeira, representando, no seu conjunto, um total de 76% do total do crédito em moeda estrangeira concedido pelo sistema.

Entretanto, as aplicações em instituições de crédito decresceram, igualmente, em 2011, em 22,5%, face a Dezembro de 2010, passando a representar um peso de 11,3% sobre o activo total, contra 16,4% registados em Dezembro de 2010.

A redução resultou principalmente do decréscimo das aplicações em instituições de crédito no estrangeiro que registaram uma queda de 40%.

A maior parte destas aplicações encontra-se sob a forma de depósitos a prazo em outras instituições de crédito no estrangeiro e, no geral, ao longo de 2011, apresentaram uma trajectória decrescente.

Depósitos

O relatório anual do BM indica, por outro lado, que os depósitos de clientes continuaram, em 2011, sendo o maior passivo no balanço das instituições de crédito e principal fonte de financiamento da actividade bancária, registando uma taxa de crescimento de 9% face a Dezembro de 2010.

Este aumento foi principalmente resultado da expansão da rede de agências que tem permitido às instituições alargarem a sua base de clientes e das campanhas publicitárias de captação de poupanças que algumas instituições têm empreendido no âmbito da conquista do mercado.

Os depósitos à ordem continuaram como principal componente dos depósitos e a sua evolução foi determinante para o crescimento dos depósitos totais que em Dezembro de 2011 representaram 64,3% do total dos depósitos, enquanto os depósitos a prazo representaram 34,9%, contra 35,7% em Dezembro de 2010, o que fez com que os depósitos com pré-aviso e outros depósitos continuassem com peso residual.

Quanto aos depósitos de residentes, o BM indica que os depósitos de particulares passaram a representar maior componente na estrutura dos depósitos em detrimento dos depósitos de empresas privadas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!