Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Camponeses de Moçambique poderãos ganhar mais dinheiro a partir de 2017

As receitas dos camponeses moçambicanos e de outros quatro países africanos poderão passar a incrementar qualitativa e quantitativamente a partir de 2017, altura da conclusão da fase experimental do uso de sementes geneticamente modificadas e muito tolerantes à seca e a infecções em distribuição no país.

Segundo Sylvester Oikeh, gestor do projecto Water Efficient for Agricultural (WEMA) em execução em Moçambique, Tanzânia, África do Sul, Quénia e Uganda, por essas alturas as receitas anuais deverão rondar nos cerca de USD 80 milhões em cada um daqueles cinco países africanos com o uso daquele tipo de sementes genericamente designadas de sementes geneticamente modificadas muito contestadas por organizações não governamentais de defesa do meio ambiente por empobrecerem os solos.

Oikeh justifica o uso destas afirmando que elas são tolerantes à seca e a infecções por doenças das plantas, acrescentando, entretanto, que nesta fase experimental estão a ser lançadas até 2017 duas novas variedades de sementes melhoradas mais adaptáveis às condições agro-ecológicas e climáticas naqueles cinco países beneficiários da iniciativa.

Para ele, o grande desafio da sua instituição é assegurar que mais de 500 mil famílias camponesas de Moçambique, Tanzânia, África do Sul, Uganda e Quénia passem a usar sementes geneticamente modificadas.

Em Moçambique, desde 2009, o projecto Water Efficient for Agricultural está a realizar a fase experimental de uso deste tipo de sementes no distrito de Chókwè, província meridional de Gaza, onde está em curso o desenvolvimento de 18 novas variedades de milho tolerantes à seca, com vista ao aumento dos níveis de produção daquele cereal.

Refira-se que o país possui a mais baixa média anual de produção de milho a nível dos países da África Austral, com apenas uma tonelada por hectare, contra a média regional estimada em cerca de 4,9 toneladas por hectare do cereal.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!