Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Brito Simango (TVM) e Emídio Beula (Savana) vencem primeiro concurso do MITUR

Foram divulgados, sexta-feira passada, 10 de Dezembro de 2010, os vencedores do primeiro concurso “Turismo e Conservação: Prémio Anual de Jornalismo”, promovido pelo Ministério do Turismo (MITUR).

 

 

Na categoria Imprensa o prémio foi ganho pelo jornalista Emídio Beula, do semanário Savana, que concorreu com um trabalho sobre a Reserva Especial de Maputo.

Na categoria Televisão, Brito Simango da TVM foi o vencedor, tendo concorrido com uma reportagem sobre vida e turismo em Vilanculos.

Quanto a categoria Rádio não foi atribuído o respectivo prémio por não ter sido apresentado trabalho que reunisse a qualidade necessária para elegibilidade.

Os jornalistas Boaventura Manjate, da Rádio Moçambique, e Artur Ferreira, da Revista Índico, foram distinguidos com menções honrosas, tendo o primeiro pelo trabalho que apresentou sobre o Parque Nacional do Limpopo e o segundo com uma redacção sobre ilhas em Moçambique.

Ao todo concorreram 12 trabalhos, dos quais 11 de Maputo e apenas um do resto do País, ou seja, da Província de Sofala, apresentado pelo jornalista Francisco Esteves, do O Autarca, que abordava a cultura de preservação de recursos naturais como factor determinante para o incremento de turismo, baseado numa experiência em curso na Praia de Njalane, arredores da Cidade da Beira.

O assessor de imprensa no Ministério do Turismo, Rafael Nambal, explicou ao nosso jornal que o trabalho do colega Francisco Esteves foi avaliado mas não obteve a pontuação suficiente para atribuição de prémio. Referiu, por outro lado, que dos 11 trabalhos de Maputo dois foram desqualificados por não terem reunido a qualidade exigida.

O júri foi composto por Tomás Vieira Mário (Presidente), Machado da Graça (Relator) e incluía ainda Américo Xavier, em representação do Director da Escola Nacional de Jornalismo; Alexandre Chiúri, pelo Sindicato Nacional de Jornalistas; e Rafael Nambal, em representação do MITUR – todos, entretanto, de ou residentes em Maputo, reduzindo transparência quando se sabe o concurso era de âmbito nacional.

O anúncio dos vencedores havia sido marcado para o passado dia 27 de Setembro, tendo acontecido cerca de três meses depois, violando-se uma regra básica para qualquer evento dessa natureza que é o cumprimento de prazos.

Até porque alguns trabalhos que acabaram sagrando-se vencedores não obedeceram esse requisito básico, ou seja, foram entregues muito a posterior a data limite que era 08 de Setembro de 2010.

Rafael Nambal revelou que apenas três concorrentes respeitaram a regra básica de cumprimento de prazos do concurso, entre os quais destaca-se o jornalista Francisco Esteves, do Jornal O Autarca, por sinal o único concorrente de fora de Maputo. Nambal reconheceu os que cumpriram o prazo acabaram saindo prejudicados, tendo prometido da próxima não será mais assim.

Explicou ter se tratado de primeira experiência levada a cabo pelo Ministério do Turismo e que a aposta assenta na sua consolidação por forma a tornar o concurso anual. Reconheceu também faltou divulgação, sobretudo nas províncias.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!