Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Bolt e Biles levam Laureus de Atletas do Ano; Phelps fatura Melhor Retorno

O velocista jamaicano Usain Bolt e a ginasta americana Simone Biles foram os grandes destaques da cerimônia de entrega do Laureus, considerado o “Oscar do desporto”, ao conquistarem os prémios de Melhores Atletas do Ano nas categorias masculina e feminina nesta terça-feira em Mónaco.

Outro grande nome do desporto premiado na cerimónia foi Michael Phelps, o maior dono de medalhas de ouro da história dos Jogos Olímpicos, que facturou o prémio de Retorno do Ano. Bolt, de 30 anos, recordista mundial dos 100 e 200 metros rasos, oito vezes campeão olímpico e dono de 11 títulos mundiais, além de ser considerado o melhor velocista de todos os tempos, subiu ao palco para o evento realizado no Salon dês Etoiles, apresentado pelo actor Hugh Grant e que contou com a presença do príncipe Albert, e de sua esposa, a princesa Charlene. Ele se tornou pela quarta vez ganhador do prémio, um feito que só foi conseguido até hoje pelos tenistas Serena Williams e Roger Federer e pelo surfista Kelly Slater.

O jamaicano superou dois jogadores de basquetebol americanos na preferência do júri: o armador Stephen Curry e o ala LeBron James, além do fundista britânico Mo Farah, o tenista escocês Andy Murray e o atacante português Cristiano Ronaldo.

Albert entregou o prémio a Biles, de 19 anos, que nos Jogos do Rio ganhou o ouro por equipes, no individual geral, no salto e no solo, além de um bronze na trave. Ela superou em Mónaco a concorrência de duas compatriotas – a velocista Allyson Felix e a nadadora Katie Ledecky -, e as da tenista alemã Angelique Kerber, da velocista jamaicana Elaine Thompson e da ciclista inglesa Laura Kenny.

O Laureus voltou 18 anos depois a Monte Carlo, sede da sua primeira edição, que teve a presença do então presidente da África do Sul, Nelson Mandela e que foi lembrado tanto pelo príncipe Albert – membro do Comitê Olímpico Internacional (COI) – como por Charlene, de origem sul-africana e que o parafraseou ao dizer que o desporto pode mudar o mundo.

A primeira-dama monegasca entregou o Prémio ‘Sports for Good’ à ONG “Waves for change” (“Ondas para a mudança”, em tradução livre), projeto sul-africano de reinserção social através do surfe.

O piloto Nico Rosberg, que anunciou a sua aposentadoria das pistas cinco dias após ganhar o Mundial de Fórmula 1, recebeu o Prémio de Revelação do Ano.

Além de ganhador de um dos prémios, Michael Phelps entregou outro, o de Melhor Equipe, ao Chicago Cubs, que ganhou a World Series de beisebol pela primeira vez em 108 anos e que disputava o Laureus, entre outros, com a selecção brasileira que conquistou a medalha de ouro nos Jogos do Rio de Janeiro.

O técnico italiano Claudio Ranieri, por sua vez, recebeu das mãos do colega de profissão e compatriota Fabio Capello o prémio especial de Espírito Desportivo, concedido ao Leicester City em função da proeza de ganhar o título do Campeonato Inglês.

Outros premiados da noite foram a esgrimista italiana Beatrice Vio, que facturou o Laureus de Melhor Atleta com deficiência, e a britânica Rachel Atherton, do mountain bike, que ganhou na categoria Atleta de acão do ano, na qual concorria o skatista brasileiro Pedro Barros.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!