Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

BM insatisfeito com bancos comerciais

O Banco de Moçambique acaba de expressar publicamente a sua insatisfação relativamente aos bancos comerciais activos no país devido à sua relutância continuada em acompanhar as reduções que o banco emissor tem feito nas taxas de juros, penalizando, assim, os que buscam dinheiro na praça nacional. É que as taxas praticadas pelos bancos comerciais aos seus clientes continuam elevadas, apesar da redução que tem ocorrido amiudadas vezes de forma ligeira.

“Esta redução não satisfaz o Banco de Moçambique porque não foi na proporção esperada”, indicou o governador do banco central moçambicano, Ernesto Gove, respondendo a uma pergunta feita sobre a posição da sua instituição relativamente à forma como reage a banca comercial às medidas de redução de taxas directoras no país.

Gove exige mais medidas visando a redução das taxas, tendo em linha de conta o que a sua instituição tem vindo a fazer em relação às taxas directoras que estão constantemente em queda para suavizar a inflação e manter estável a divisa moçambicana, o Metical.

Planos para 2014

Para 2014, o BM garante continuar a exigir tanto dos bancos comerciais quanto das empresas moçambica- nas “maior transparência através da publicação das suas contas regularmente e apresentação da sua contabilidade em dia”.

Gove explicou que as taxas directoras apresentam taxas e preços do mercado e que a inflação também determina as taxas de juros praticadas pelos bancos aos seus clientes.

Gove lembrou a entrada em vigor a um de Janeiro de 2014 das medidas de adopção do Acordo de Basileia II que obriga as instituições de crédito a passarem a proceder ao reporte da informação prudencial exclusivamente em conformidade com o novo regime prudencial.

Este novo acordo visa assegurar a convergência internacional de mensuração de capitais e padrões de adequação de capitais, pilar II, que é o processo de revisão de supervisão, e o pilar III, que está relacionado com a disciplina do mercado.

A implementação do acordo de Basileia II vem na sequência de o sector bancário estar a adoptar técnicas progressi- vamente mais sofisticadas de avaliação do risco, em especial, nas vertentes de risco de crédito, do risco de mercado e do risco operacional.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!