Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Bélgica realiza eleições legislativas que podem aprofundar crise

A Bélgica realiza este domingo eleições legislativas antecipadas que poderão aprofundar a crise política que vive o reino, caso seja confirmado o avanço eleitoral dos flamencos radicais, defensores da separação do sul francófono. O governo de coalizão, liderado pelo democrata-cristão flamenco Yves Leterme, apresentou sua renúncia no dia 22 de abril, obrigado pelo decisão de um de seus aliados, os flamencos liberais, que abandonaram a maioria por um novo conflito linguístico com os francófonos.

Depois das últimas eleições de junho de 2009, o reino, de em torno de 10 milhões de habitantes, passa por uma grave crise política, reflexo de como os flamencos do próspero norte e os francófonos do empobrecido sul deram as costas uns aos outros até o ponto de se questionarem sobre o sentido de continuar vivendo juntos.

Nas eleições de domingo, quase tudo dependerá dos votos que a comunidade de Flandres, que representa 60% da população belga, destine aos separatistas flamencos. Segundo uma pesquisa publicada na quinta-feira, o partido separatista Nouvelle Alliance (NVA), liderado por Bart de Wever, deve substituir os democrata-cristãos como primeira força política flamenca, com cerca de 25% dos votos, ou seja, em torno de 23 cadeiras das 150 do Parlamento belga.

Em Valônia, os socialistas venceriam com 34,2% dos votos, informa a mesma pesquisa. Mas o avanço dos radicais flamencos não bastará para provocar a divisão da Bélgica, sua vitória em Flandres acrescentaria outro ganho de espaço, o que os belgas veem como cada vez mais inevitável no médio prazo. Criado em 1831 como um Estado católico tendo o francês como língua oficial, apesar de a maioria de sua população falar flamenco, o reino parecia ter encontrado a receita da convivência que necessitava com a federalização aprovada em 1992.

Mas esta fórmula levou as principais comunidades a se instalarem cada uma em seu lado, com “modos de funcionamento diferentes”, explica Eric Corijn, sociólogo da Universidade Livre Flamenca de Bruxelas, ao justificar a brutal desconexão entre as duas comunidades que dividem o mesmo território. Depois destas eleições, o campo flamenco prevê exigir poderes suplementares para Flandes.

O líder flamenco separatista De Wever está “seguro” de que o reino “desaparecerá pouco a pouco”, conforme as competências forem sendo transferidas às regiões e à União Europeia. “As novas eleições que ocorrerão neste fim de semana dificilmente darão estabilidade política rapidamente”, afirma Rayner Guntermann, analista da Commerzbank.

O jornal francófono Le Soir há meses prevê o pior: “o medo do separatismo paralisa a nação”, publicou recentemente. Em um país sem partidos políticos nacionais, será inevitável a formação de um governo de coalizão que agrupe ambas as comunidades, isto é, uma união paritária de ministros flamencos e francófonos com um programa comum, algo que com toda probabilidade irá requerer diversos meses de batalhas políticas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!