Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Banco mundial financia projecto de irrigação em Moçambique

O Ministro moçambicano da Planificação e Desenvolvimento, Aiuba Cuereneia, assinou, recentemente, com o Banco Mundial, um acordo de financiamento para o Projecto de Irrigação (PROIRRI), no valor de 92.15 milhões de dólares norte-americanos.

O acordo, segundo um comunicado de imprensa do Ministério da Planificação e Desenvolvimento (MDP) recebido pela AIM, foi rubricado em Washington, Estados Unidos da América (EUA), a margem das reuniões anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional havidas naquele país.

O PROIRRI é um projecto ancorado à Estratégia do Banco Mundial para Assistência ao país (CAS), concebido para apoiar Moçambique a atingir os seus objectivos na execução da Estratégia de Redução da Pobreza, através do Plano de Acção para a Redução da Pobreza (PARP).

Os custos totais do projecto estão estimados em 92.15 milhões de dólares, dos quais cerca de 70 milhões são fornecidos pela Agência de Desenvolvimento Internacional (IDA) e 14.25 milhões através da concessão do fundo do governo do Japão, para o desenvolvimento do arroz em África, enquanto o remanescente provém da contribuição dos beneficiários, num valor de 7.9 milhões de dólares.

Com o projecto pretende-se aumentar a produção agrícola, a comercialização e a produtividade dos pequenos agricultores através de novos e melhorados sistemas de irrigação no Centro do país.

Neste contexto, o grupo alvo são os pequenos agricultores (grupos e associações) e agricultores individuais emergentes que beneficiarão da adopção de melhores tecnologias de produção e capacitação em relação à irrigação, competências complementares requeridas para aproveitar todo o potencial de água para agricultura.

Ao abrigo do mesmo está igualmente previsto o aperfeiçoamento das técnicas pós-colheita, acesso ao melhor desempenho da extensão e serviços financeiros e vínculos mais estreitos com as potenciais oportunidades do mercado.

Ao longo dos seis anos que são o período de execução, o projecto deverá beneficiar directamente cerca de 16 mil agricultores nas províncias de Manica, Sofala e Zambézia (centro do país). O número de beneficiários indirectos é estimado em 80 mil até ao final do projecto.

A cerimónia de assinatura do acordo foi testemunhada por quadros dos MPD, das Finanças, e do Banco de Moçambique que participaram nas Reuniões Anuais, bem como quadros do Banco Mundial.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!