Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Balanças viciadas foram apreendidas em 4 pontos da Província de Manica no âmbito da fiscalização dos preços

Setenta balanças viciadas foram postas fora de acção em vários mercados formais e informais dos quatro municípios da província de Manica, nomeadamente Chimoio, Manica, Catandica e Gôndola, uma medida inserida no âmbito da fiscalização dos preços e comportamento dos vendedores que nas quadras festivas têm recorrido a este método para defraudar os consumidores.

Com esta acção levada a cabo pela inspecção provincial das actividades económicas, as autoridades da indústria e comércio em Manica pretendem também minimizar o impacto negativo do oportunismo dos vendedores que, a custa da grande procura de produtos de primeira necessidade nestas épocas do ano, ludibriam os consumidores com o agravamento dos preços, contrafacção e desafinação de balanças.

Com as balanças desafinadas, segundo o director provincial da Indústria e Comércio de Manica, António Machamale, os referidos vendedores pretendiam ludibriar os consumidores que seriam obrigados a pagar por produtos sem a pesagem equivalente, prejudicando os já parcos recursos financeiros das populações.

Machamale referiu ainda que a medida tem por objectivo, garantir a estabilidade e tranquilidade dos preços no mercado, os quais estão a ser monitorados por uma comissão multissectorial a propósito constituída na província, no quadro da legislação atinente.

A fonte revelou que, no quadro da actividade inspectiva, foram tomadas todas as medidas preventivas ao oportunismo, sendo que, como resultado, os preços ainda não começaram a sofrer agravamento em todos os mercados da sofrer agravamento em todos os mercados da província.

Revelou não ter sido detectado nenhum caso de produtos fora de prazo nos mercados formais e informais, havendo apenas o registo de estabelecimentos comerciais que, verificando produtos nesta situação, se voluntariaram a entregar para a incineração.

Entre estes estabelecimentos, Machamale citou o caso da Shoprite. A fonte afirmou que, devido a necessidade de prevenir a carestia dos produtos da primeira necessidade resultante do tradicional oportunismo, em tempos festivos, dos comerciantes e vendedores ambulantes, os consumidores estão a antecipar o movimento de pessoas na caça dos produtos essenciais, com vista a conferir melhor tranquilidade a festa natalícia e de transição de ano que se avizinha.

A necessidade de acumular alguma coisa antes de os preços se agravarem, aliada ao receio de vir a verificar-se eventual ruptura dos stocks dos produtos mais procurados nestas alturas, explicam este avalanche de centenas de pessoas dos mais variados estratos sociais, que palmilham as ruas e mercados de Chimoio a fim de ver o que comprar para a festa.

Nas vias e praças públicas, nos mercados formais e informais, nos principais centros comerciais, supermercados, casas de bebidas e lojas diversas, pessoas de diferentes grupos etários e estratos sociais cruzam-se numa azáfama que começa logo às primeiras horas da manhã e se prolonga para a tarde adentro.

As autoridades da Indústria e Comércio garantem não haver problemas no abastecimento dos produtos da primeira necessidade, estando assegurado também a componente bebidas e refrigerantes, cujos componente bebidas e refrigerantes, cujos fornecedores dizem haver stocks suficientes para a atender a quadra festiva.

A fábrica de refrigerantes Coca-Cola, por exemplo e segundo aquele governante, está a laborar a contento e não se prevê nada que possa vir a provocar a falta de refrescos. As grandes empresas de venda de produtos de primeira necessidade, também asseguraram terem tudo que os interessados precisam para as suas festas.

No que se refere a frangos, Machamale afirmou que a maior produtora, Abílio Antunes, vai garantir o fornecimento a preço da tabela e que para evitar a especulação, foi criada uma comissão para o controlo da margem de lucro dos preços de 12 produtos, incluindo o frango.

Aquela instituição teve que contactar o Aviário Abílio Antunes para vender directamente os frangos no mercado onde os revendedores geralmente aplicam preços especulativos.

Afirmou que, no que se refere a outros produtos e bebidas, incluindo a cerveja, não há problemas de stocks. Os estabelecimentos vocacionados à venda de bebidas alcoólicas, géneros alimentícios, objectos pirotécnicos e de ornamentação, roupa e calçados, estão a registar enchentes.

Uma ronda efectuada pela Reportagem do O Planalto constatou que no mercado central, Catanga, 38 milímetros, Mpulango e a zona comercial da capital provincial de Manica, estão a rebentar pelas costuras de tanta gente que aí aflui para efectuar as suas compras.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!